Translate

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

As palavras que eu te disse



As palavras que eu te disse,
solistas no contraponto
de ventos insuflados de ternura,
são arbustos que cresceram no teu peito,
convertendo-se no denso arvoredo
do bosque dos nossos silêncios.

A ausência das tuas palavras,
num corpo boleado
de crenças em lenta combustão, há de ser
o espigar da embriaguez indecisa do teu ventre,
onde o sol reinventará
a tua alma de amante em lençóis de estrelas
enamoradas pela tua pele celeste.

Continuo a ver-te árvore,
mas corro o risco de te confundir com a floresta
que nos rodeia em chamas,
que te incendeia, que me queima,
devagar, neste Verão que tarda em acabar.
 
 

50 comentários:

GarçaReal disse...


E quando o Verão tarda em acabar, é porque a luz continua a brilhar, o amor a florescer e o brilho da alma a alimentar a ternura dos momentos.

Muitíssimo belo. Li e reli

Bom resto de semana

Bjgrande do Lago

Blog da Gigi disse...

Magnífico!!!!!!!!! Abençoado dia!!!!! Beijos

sub helena disse...

Jaime, boa tarde...

Belíssima palavras, um texto repleto de imagens vibrantes, a combustão do ser, a embriaguez do corpo, o incendiar da alma com o desejo latente... Amigo, nos brindou com maravilhoso poema.
Que tenhamos uma ótima semana, beijo.

brisonmattos disse...

Nossa! que lindo!

Mariangela do Lago Vieira disse...

O brilho do amor jamais se apagará,
Pois a ternura manterá acesa esta chama,
Que só tende a crescer!
Lindíssima inspiração Jaime.
Abraços, e obrigada pelos teus comentários.
Mariangela

Arco-Íris de Frida disse...

Existem verões que nunca se acabam... queimam para sempre... belissimo poema...

Laura Santos disse...

Como toda a palavra moldada pela ternura
pode criar um bosque de silêncio onde as
palavras já não são necessárias, porque se confia!
E com confiança no amor de alguém, o corpo pode
arder e entregar-se. Neste caso não é de mau
tom "confundir a árvore com a floresta".:-)
Ambas em chamas.
Maravilhoso poema, Jaime!
xx

Diana Fonseca disse...

Boa Tarde,

Vou criar uma rúbrica no meu blogue, uma espécie de entrevista. Gostava que participasse.

Se estiver interessada, envie-me o seu e-mail. Não aceitarei o comentário.

Cumprimentos,
Diana Fonseca.

ॐ Shirley ॐ disse...

Ah! Que beleza, Jaime... Também quero cobrir minha cama com um lençol de estrelas.
Beijos e muita Paz!!!

Marta Vinhais disse...

E amar assim....É brilhar como as estrelas...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Ana Tapadas disse...

Quanta sensibilidade e beleza!

Beijinho para Viana

Dorli Ramos disse...

Oi Jaime,
Linda poesia
Se cobrir minha cama de estrela eu me queimarei toda, mas eu adoro vê-las no céu brilhando a vida
Beijos no coração
Minicontista2

manuela barroso disse...

Uma árvore.
Folhas em suspiros pendurados no bosque onde a sombra descansará
no vale de estrelas.
E na clareira, o incêndio deste poema.
Abraço, Jaime. *

Lu Sam disse...

Nossa, sou sua fã.
Poema muito belo, principalmente a primeira estrofe. Palavras que tornam-se árvores pot serem inefáveis.
beijos.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Bom dia
Agradeço a tua presença em lidacoelho.
Assim tive a sorte de conhecer este espaço encantado.
Uma alma poética na busca do amor. Uma floresta quase em chamas que nunca se consomem. O amor é diferente dos outros incêndios que destroem.
O amor encanta e constrói.

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Olá Jaime,lindas palavras que diz em seus versos
para sua amada.
Adorei ler.
Bjs,obrigada pela visita e um lindo final de semana.
Carmen Lúcia.

Graça Pires disse...

As palavras em chamas no poema. Como se o corpo-árvore se transfigurasse em estrelas. Um poema muito belo, Jaime.
Beijo.

Teresa Durães disse...

Será esse queimar um mau prenúncio ou antes o desafogar total da paixão?

Cecilia disse...

Belo poema como tudo que escreves.
obrigada Jaime pelo carinho e pela enorme consideração, UM DIA EU VOLTO!
Beijos com carinho.

Cecilia

Ana Freire disse...

Mais um belíssimo e inspirado poema... que nos arrebata a atenção, da primeira à ultima palavra...
Magnífico, Jaime!
Abraço! Bom fim de semana!
Ana

rosa-branca disse...

Olá Jaime, palavras lindas, acesas num verão tardio. Um poema que amei demais. Bom fim de semana e beijos com carinho

Cristina Cebola disse...

Tão forte como o sol de verão... e tão sublime como pétalas que esvoaçam em manhãs de primavera...

Gostei muito!!

Salete disse...

Poema triste, mas muito belo.Gostei muito.

Beijinho.

Vera Lúcia disse...


Belíssimo, Jaime.
"...ventos insuflados de ternura"...
"...alma de amante em lençóis de estrelas..."
Construções poéticas encantadoras. Inspiradíssimo poema.

Quando o verão tarda em acabar é porque as chamas da paixão permanecem intensamente acesas.

Ótimo final de semana.

Abraço.

Andreia Morais disse...

Está fantástico! Adorei.

r: Muito obrigada.
Bom fim de semana*

Clau disse...

Olá Jaime,
Postagem encantadora que demonstra toda a inspiração
de um poeta sensível e apaixonado!
Que este verão quente e intenso de amor, nunca se acabe...
Beijos :)

AC disse...

Jaime,
O amor é mesmo assim: carece ser tratado, constantemente cuidado, por vezes reinventado...

Um abraço

Cristal de uma mulher disse...

Tudo que envolve este amor suave ferve de paixão durante o ato do querer. Belas letras amigo



Cristal

São disse...

Faço minhas , se a autora e o Poeta assim permitirem, as justas palavras de Ana Freire.

Abraço grande e bom final de semana :)

Andre Mansim disse...

Mais um lindo escrito meu amigo!
Eu gosto de ler poesias assim, lindas mas não obvias... Assim a gente pensa e participa do texto!

Parabéns.

Aline Teles disse...

Pode até findar a história desse verão, mas será eternamente lembrando. Pois verões assim, carregados de tanto sentimento, não acabam. Pois a saudade não permitirá. Lindo o seu poema. Beijinhos.

Vivian disse...

...Jaime,
esta casa encanta-me!

Beijos

Agostinho disse...

Se a brisa souber o caminho
os verões não se extinguem

Mário Margaride disse...

Gosto muito desta forma como descreves o amor, amigo Jaime.
A leveza e ternura que cada palavra contém...é fabuloso!

Parabéns!

Votos de uma excelente semana!

Abraço.

Paulo Silva disse...

Encaremos o final como o renascer de algo novo. De novas palavras, de uma nova árvore, de uma nova floresta, de um novo sentimento, de uma nova e maravilhosa poesia!!

Abraço, meu amigo.

CÉU disse...

Metáfora que "queima" do princípio ao fim.
Boa semana. Abraço!

heretico disse...

há árvores assim - mais frondosas que as florestas.

excelente. teu poema.

abraço

lua singular disse...

O Jaime
O amor pode ser uma estrela quente que não queima nosso corpo, mas aquece a nossa alma que transporta para o nosso corpo grandes paixões.
Beijos no coração
Minicontista

Cecilia disse...

Querido amigo.
Fico encantada com seus poemas em forma de natureza que nos dá o prazer da leitura!
Muito obrigada pelo carinho de suas palavras, mas, aos poucos estou deixando meu cantinho de lado, mas cadê que conseguimos de repente né?
Forte abraço e ótima semana.

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema em chamas e paixão.
os lençóis de estrelas são uma boa definição.
gostei muito!
beijinho
:)

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Em Amor assim, mesmo num monólogo, sempre são escutadas as palavras que não ardem num qualquer fogo.
Poema muito belo, com uma mensagem significativa.
Parabéns, Jaime.

Abraço
SOL

saudade disse...

Mas que árvore que se destaca nessa tua floresta de palavras entrelaçadas umas nas outras.
Belíssimo....
Beijo
Saudade

Maria Rodrigues disse...

Que o fogo do amor permanece eternamente no coração de quem ama.
Belíssimo poema.
Um abraço
Maria

Suzete Brainer disse...

Este amigo Jaime é um mestre com as
palavras, a magia da poesia no sentir,
no dizer e no encanto...
Belíssimo, Poeta!!
Abraço de paz.

Zilani Célia disse...

OI JAIME!
A TUA REPRESENTAÇÃO DE SENTIMENTOS ONDE ARDEM ÁRVORES E FLORESTAS, FICOU MUITO INTENSA, GOSTEI MUITO.
ABRÇS
-
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Fá menor disse...

Por vezes somos assim, apenas uma árvore silenciosa numa floresta de sombras...

Beijinhos

MARILENE disse...

Chamas descritas com beleza, a dispensar palavras. Muito belo! Abraço.

Jaime Portela disse...

Caros amigos
Obrigado pelos vossos comentários. Voltem sempre.
Entretanto, acabei de publicar novo poema. Espero que gostem.
Continuação de boa semana para todos.
Saudações poéticas.

Ana Simões disse...

Há Verões que acabam.. tudo passa nada fica... mas quando os mesmos se forem, permanece a brisa do vento que passa "acordando" nossos silêncios.
Lindo poema Jaime. Bom dia.

Claudinha ੴ disse...

Olá Jaime!
Ando em falta com minhas visitas e comentários.
Minha vida tem sofrido mudanças. Chego aqui pela primeira vez, mas com a certeza de que há muito conheço estas letras. O estilo e a capacidade de envolver-nos é viciante. Seja neste verão ou em qualquer outra estação, seja árvore ou floresta, que bons ventos sempre tragam boas palavras!
Um beijo!