Translate

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

O parto


Vou procriando embriões de palavras,
que verto a tentar não perder o fio ao enredo,
mas tenho um parto atribulado.
 
Levanto o prematuro, limpo a placenta
e dou-lhe duas palmadas no rabo.
Provo-lhe a semente do grito primevo
enquanto devoro baforadas de vácuo prenhes de fumo.
 
Alfaiate e parteiro, dou uma tesourada de pai indeciso
no cordão umbilical
e lavo o filho de sangue em mil ideias com asas.
 
Coso a boca às feridas, refino pensos,
mas atrapalho-me com nuvens de pó de talco
e quase deixo escapar os versos convalescentes
pelo cano da incubadora.
 
Recomeço, uma e outra vez,
até que as dores da aparição se desenruguem
e Morfeu o não ache nado-morto
para estágio em colchão de sono breve.
 
De candeia em punho,
percorro esquinas e vielas do poema
até projetar o mapa do seu corpo na retina
para radiografar as ideias ulceradas a intimar cirurgia.
 
Do esboço inicial, a martelo e a cinzel,
passo à transpiração burilada
na paciente finura das formas.
 
Certas palavras, ao sentir o bisturi da coerência
a bordar a pele, espetam agulhas
nas pernas de outras palavras para que fujam à dor
e plasmam novas palavras com pinças e ligaduras
num corpo exausto de próteses.
 
Aceitável, o filho, agora com malformações
quase só percetíveis aos olhos do mestre,
penduro-o na parede e abandono-o.
É vosso.

Jaime Portela

61 comentários:

Gracita disse...

Meu caro amigo Jaime
Que você sempre nos ofereça outros filhos tão intensos e belos como este. Parabéns pelo poema espetacular!
Um lindo dia para você
Um abraço

Blog da Gigi disse...

Abençoado dia!!!!!! Beijos

mム尺goん disse...

Ah! que lindo !

Escrever talvez seja O fogo extinto que atiça....

abç

Arco-Íris de Frida disse...

Nossa! intenso...belo poema...

mixtu disse...

É vosso... para isso teria que se abrir um processo de adoção plena ou limitada... e como foste tu que tivestes as dores do parto... é teu e será lido por nós... :)
abrzo

CÉU disse...

Gostei muito de ler o seu "extenso" poema/"filho", mas tenho de o "dissecar" com ternura, atenção e prazer. Não se importará, decerto!
Que "chatice"! E logo o meu curso não ser Medicina!
Voltarei, se Deus quiser.

Agradeço a visita, aguardada e agradável, tal como as palavras deixadas, sempre "poucas" para mim, mas para pessoas de Ciências, mais que suficientes. Entendo, perfeitamente, meu amor de amigo!

Beijos e continuação de boa semana.

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Versos sempre reflexivos amigo Jaime.
A dor de um parto difícil,com suas consequências e quem sabe a dor da partida de um filho prematuro com malformações,mas perceptíveis somente diante do Mestre.
Obrigada pela visita e comentário.
Abraços.-Carmen Lúcia.

Cidália Ferreira disse...

Que poema fantástico! Soberbo!! Adorei.

Beijo

Magda Carvalho disse...

Que belo poema :)
http://retromaggie.blogspot.pt/

Marta Vinhais disse...

E viaja-se por entre labirintos, arco-íris, mistérios e segredos...
Cheios de paixão....
Gostei muito....
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Elvira Carvalho disse...

Quisera eu ser mágico de ideias, que me revelassem as palavras exactas de um comentário à altura do poema.
Um abraço

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Dar à luz, a tão belo poema, enche de emoção a quem "assiste" a esse parto sem dor!
Um beijo, Jaime!

Lilá(s) disse...

Grande poeta que tu és! poderosas as tuas palavras.
Bjs

graça Alves disse...

Uma "Autopsicografia" à Jaime Portela!
E assim segue o parto multifacetado da escrita!

Obrigado pelas visitas :)
Bj

Catarina disse...

Um poema lindíssimo :)

Majo disse...

~~~
Só quem nunca passou pelo ato de criar

não percebe todas as atribulações descritas...

Eu percebo
e apenas me aventuro em pretensas prosas poéticas...

Um poema, pleno de humor e grande cumplicidade literária.

~~~ Abraço amigo, Jaime. ~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

helia disse...

Um Poema maravilhoso ! Gostei muito !

Pensamentos Com Asas disse...

Olá! Passei para conhecer seu cantinho e fiquei encantada. Parabéns!
Obrigada também pela visita comentário. Muito gentil... Desde já te seguindo. Beijos

Mariazita disse...

R: Isto de andar de camelo não é o mesmo que andar de Ferrari :)))
Prevejo que no dia 13 do próximo mês deixem o terreno livre para a entrada do "Aniversário"... no dia 14.

Este poema é... sublime! A temática da criação (concretamente, o nascimento) está tratada ao mais alto nível.
ADOREI! Parabéns.

Com votos de óptimo fim de semana deixo...
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, o belo poema que é o bisturi da coerência, é objetivo.
AG

Mariangela do Lago Vieira disse...

Certamente amigo Jaime, um lindo parto digno de ser assistido e aplaudido, uma bela criação e inspiração!
Abraços!
Mariangela

Genny Xavier disse...

Analogia perfeita para a metalinguagem dos versos... Belo parto poético!

Grande abraço, poeta!
Genny

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Parto ou escultura, o Poema é sempre filho da gente.
Preciosa forma de encadear a poesia. Gostei.

Abraço
SOL

heretico disse...

o parto da palavra poética é, de facto, complicado, quando não mesmo doloroso...

o que poderei dizer é que, em tuas mãos sábias, a delicada tarefa resulta sempre na perfeição.

forte abraço, caro Jaime Portela.

Vera Lúcia disse...


Olá amigo poeta,

Este poema é escandalosamente lindo.
Um primor, nascido de um parto cuidadoso, através de uma mente talentosa e poeticamente perfeita. Atribulado, talvez, pelo perfeccionismo do poeta.
Maravilhoso!
Você é demais!!!!

Ótimo final de semana.

Abraço.

Louraini Christmann - Lola disse...

Muito, muito bom!
Nem respirei até ler a última linha.
Me fez tão bem....

VictorNanny disse...

Perfeito, como sempre, amigo Jaime!
O cenário é intenso de uma atividade ora dentro de uma maternidade, ora numa selva sem recursos! Parto normal, ou cesariana, as cenas são como disse, intensas e dramáticas!
Atualíssimo, quando mães temem o nascimento de "microcéfalos", principalmente, no Nordeste brasileiro.

PS: Veja como ficou a postagem Congregação de surdos
com seu poema autorizado.
Abraços e bom fim de semana!

Brisa disse...

...e eu aqui voltei para te ler...
Sorri e ri,ao ler tão emocionante texto... Lindo

Bjo e um ótimo fim de semana

Ailime disse...

Boa noite Poeta,
Magnifico poema dado à luz com a genialidade da sua maravilhosa escrita criativa.
Beijinhos e bom fim de semana.

ॐ Shirley ॐ disse...

De um doloroso parto, nasceu um lindo poema.
Abraços, Jaime!!!

Nal Pontes disse...

Profundo esse poema, já começa pelo tema. Parto.
ao pensar nessa palavra me faz lembrar de um novo
tempo que vai chegar, trazendo com ele a esperança.
Parabéns pela forte e singela inspiração. Nota 10. Para
o poeta e a poesia.
Um bom, feliz e abençoando final de semana e inicio de um novo mês.
Eu te amo e Deus ainda mais. Bjs

Andreia Morais disse...

Fantástico poema!

r: Infelizmente é
Obrigada e igualmente*

tulipa disse...


Olá Jaime

Parabéns pela veia poética!

Um Poeta escreve assim:
Alfaiate e parteiro, dou uma tesourada de pai indeciso
no cordão umbilical
e lavo o filho de sangue em mil ideias com asas.

Nunca me passaria pela cabeça escrever a última frase...
sinal que não tenho veia poética.

Sou lágrimas, solidão e dor,
mas também vou ainda conseguindo ser alegria, energia e força.

Obrigado pela visita

Sobre cinema - sabe que para mim ver cinema em casa não me convence.
Não me habituo, só se for um filme que já vi nas salas de cinema
há algum tempo e depois revejo-o em casa, isso aceito.
É uma sensação tão boa ver um bom filme nas salas de cinema.

AH, caso queira espreitar,
tenho um post novo no meu blog
http://momentos-perfeitos.blogspot.pt/

Bom fim de semana.
Um abraço.

Ana Freire disse...

E o próximo... já está de quanto tempo?... Já calculava... a poucos dias, do seu nascimento...
Extraordinária... a forma... como colocou este filho no mundo, Jaime!
Adorei o poema!!! Só a última letra do mesmo, nos trava a sua leitura...
Está no meu top de favoritos, por aqui!...
Abraço! Bom domingo!
Ana

Salete disse...

São só palavras (no seu caso muitas) que se unem e se moldam a diferentes ambientes.
Muito bom o poema. Gostei!

Beijo.

MEU DOCE AMOR disse...

Olá:

Belo contexto.Tanto nos trazem estas palavras...

Beijinho doce

Clau disse...

Olá Jaime,
O parto pode ter sido difícil,
mas o nascimento desse poema
é digno de aplausos!
Gostei muito!
Beijos ;)

Nina Filipe disse...

Meu querido amigo gosto muito do seu poema, tem cor, tem , magia e tem amor.
Respeitan-te há sua visita fico-lhe muito grata e desejo -lhe uma linda semana com beijinhos de luz e paz. .

São disse...

Os partos nunca são fáceis, meu amigo,

Que as crianças sejam sempre tão escorreitas como esta que aqui lemos hoje !

Bom Fevereiro próximo

Pedrasnuas disse...

Um poema é como um parto...mesmo com malformações apenas aos olhos do mestre ...ninguém dá por nada, de tão excelente que ficou.... alfaiate ou parteiro ...seja o que for... ele está aí, sempre belo, sempre "novo" e olha que talento tens para dar e vender .... que abundância de verve!

Meu amigo, foi um grande prazer!

Boa tarde, na recta final deste domingo....que já vai esmorecendo....

Beijo, Jaime!

Lady Viana disse...

Amigo Jaime,

Adorei o poema, um parto difícil, um processo traumático, um libertar interno de nossos emaranhados de nós, repleto de emoções... Sempre defino minha necessidade de escrever, como a tentativa de aliviar, um engarrafamento de sentimentos que ocorre dentro de mim, é uma extensão do meu corpo e da minha alma.
Linda visão a sua, meu amigo, perfeitas imagens.
Beijo doce e que tenhamos uma ótima semana.

rosa-branca disse...

És um óptimo alfaiate- parteiro e a obra saiu escorreita. Maravilhoso poema que adorei. Boa semana Jaime e beijos com carinho

saudade disse...

E que belo filho (poema) saiu desse lindo parto.....
Beijinhos de...
Saudade

Graça Pires disse...

Tantas vezes doloroso e difícil criar o poema. Muito interessante a comparação com as dores do parto, num poema onde as palavras nos são oferecidas. Excelente, Jaime.
Beijos.

© Piedade Araújo Sol disse...

a arte de criação, é isso mesmo.
um parto.
por vezes muito difícil outras vezes nem tanto.
e assim se faz poema.
depois de escrito é propriedade do seu autor e de quem o ler.
uma boa semana.
um beijo
:)

Arte & Emoçoes disse...

Aplausos para o grande Jaime! Mestre, também, no parir belos poemas. Parabéns!

Obrigado pela visita e gentil comentário deixado no nosso humilde espaço, bem como pela compreensão, devido a minha ausência para um pequeno e merecido descanso.


Abraços,

Furtado.

Ana Simões disse...

Que lindo este teu "filho" Jaime. Que nos ofereces depois de tão bem cuidado e tanto trabalho dado...
Maravilhoso este "trocadilho" de palavras onde o autor, exprime a paixão pela escrita, sendo a mesma para ele tão importante como um filho. Está mesma lindo !!!
Parabéns Jaime por tão bonita escrita e tanta sensibilidade.
Quando for grande vou escrever assim rsss.
Beijinho e resto de boa semana.

CÉU disse...

Ai, que já começaram as dores...! As dores das palavras que não sei como encontra-las perante o cenário "desventrado" e magnificente que aqui nos mostra. Estou a abrir os vocábulos para que eles recebam este seu "filho", poema, que com tanto amor e instrumentos concebeu. Depois de tanta "arte e engenho", entrega-o! É divino! É de Pai! Claro que gostei, e muito, nem precisa "perguntar"!

O seu anterior "filho" casou muito bem com as imagens do blogue do Victor Nanny. Parabéns a ambos!

Beijos e boa semana.

Blog da Gigi disse...

Lindo dia!!!!!!!!!!! Beijos

Labirinto de Emoções disse...

Olá Jaime
Depois deste laborioso parto, nasceu um poema maravilhoso..:-) adorei lê-lo e como dizes no final vou considera-lo "meu" para o ler as vezes que me apetecer.
Beijinho grande
Teresa

MARILENE disse...

Você foi brilhante! Esse nascimento passa por tantas fases antes da entrega que, ao leitor, pareceu ter surgido pronto e perfeito, só para seu encantamento. Abraço.

Suzete Brainer disse...

Excelente e criativo poema sobre o parto (processo)
da criação literária, uma arte de nascimento
doloroso (as vezes) das palavras , mas
tão essencial!...
Boa semana, querido amigo!
Beijo.

Lu Nogfer disse...

Que seja sempre assim meu querido. Você é um grande poeta e que ser sua leitora.

ps. Obrigada pela doce presença no asas. Amanha tem nova postagem.
Beijinhos

tulipa disse...


http://tempolivremundo.blogspot.pt/

Hoje é dia do 2º aniversário.
Vem beber um chá comigo.
Beijinhos.

Arione Torres disse...

Oi amigo, vim lhe desejar uma excelente semana, vim lhe desejar uma excelente semana, abraços e fique com Deus!!

Helena disse...

Tanto já foi dito sobre este "parto" que me faltam adjetivos para denominá-lo... Mas para que adjetivá-lo? Poemas assim, dessa magnitude, devem ser apenas sentido, admirado e, por que não usar um verbo também?, invejado. Porque foi isto que senti ao final da leitura: aquela invejazinha (que dizem não fazer mal por ser uma inveja "branca") de saber que nunca, em tempo algum, eu teria a capacidade de "metaforear" uma criação poética tão bem como o fizeste.
O que consola é saber que nem todos que se "atrevem" a escrever possuem essa genialidade.
Meu querido amigo, aqui de volta depois de umas deliciosas férias, ao convívio dos amigos que tanto prezo e admiro para mais uma caminhada por este mundo blogueiro que tanto bem me faz.
Que este comecinho do ano já tenha te dado a certeza de que 2016 será um dos melhores da tua vida.
Deixo uma rosa amarela a brincar no sorriso dos anjos que estão a refletir nas asas o bem que te desejo.
Helena

Emília Pinto disse...

E não será a vida, um parto? A cada dia o sol nasce, mesmo quando o não vemos e sempre a noite aparece quer queiramos ou não. Nascimentos todos os dias e só quando chegar a hora saberemos como vai ser o parto. Contamos que seja normal, com as dores que o caracterizam, mas....algo de repente acontece ...o problema se agrava e drásticas medidas têm de ser tomadas. Torna-se dificil, mas depois de algum choro, sofrimento e ajuda, as soluções aparecem e fialmente a alegria volta. E agora, já que tudo correu bem, podemos ansiar por um novo parto; quem sabe não será menos sofrido? O sol vai nascer de certeza e pode ser que desta vez o vejamos lá no alto, saudando-nos com a sua luz maravilhosa. Perante este belo poema, que dizer, amigo? Será pouco dizer...Fantástico!. Um beijinho e obrigada pelo belo momento.
Emilia

Jaime Portela disse...


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Caros amigos
Obrigado pelos vossos comentários. Voltem sempre.
Entretanto, acabei de publicar novo poema. Espero que gostem.
Continuação de boa semana para todos.
Saudações poéticas.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Fá menor disse...

Há partos atribulados,
mas, no fim, cresçam as palavras, sedentas da luz do dia.
:)

Bjins

Laura Santos disse...

A realidade feita intensidade esventrada num poema parido com a profundidade de um poeta que "não brinca" com as palavras, porque aqui a poesia é coisa séria e adquire o estatuto do sublime que raramente nos é apresentado.
Quem dá à luz poemas assim merece grandes voos porque paira sobre a superfície das coisas.
Sou tua grande admiradora, como sabes.
xx

Odete Ferreira disse...

Um ótimo trabalho poético sobre o processo por que passa, referenciando as etapas de um parto. Depois de parido, não mais pertence ao progenitor.
Bjo, Jaime :)