Translate

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Navegar é preciso *


Vimos de longe, de muito longe,
com as mentes perfumadas pelos dilúvios
que sorvemos com o hálito na pele,
abençoados por fragrâncias
de maresias que nos alimentaram
em rotas de ventos risonhos.
 
Vimos de longe, de muito longe,
a bordo de uma nau
com a linha de água submersa pela carga
dos contentores da fortuna
estivada nos porões, tesouro que carregámos
com as retinas cheias de nós.
 
Vimos de longe, de muito longe,
com limo e ostras na rabada
de cruzar um mar convulso de vozes
e algas sem norte na quilha da nossa firmeza,
à vela de um farol
lastrado na paz dos sentidos do olhar.
 
Vamos p’ra longe, p’ra muito longe,
a navegar no fado em que nós cremos,
dobraremos os cabos
das tormentas de nós mesmos.

* Título de um poema de Fernando Pessoa
 
Jaime Portela

42 comentários:

Emília Pinto disse...

É preciso, sim, ir e voltar vezes sem conta; encher a alma de experiências diferentes, de sentimentos, de emoções. Navegando sempre neste mar da vida, procurando crer que o fado se pode mudar com coragem e determinação. Ir, observar, maravilhar-nos com o que vamos vendo a bordo desta nau que tantas vezes nos parece frágil e depois voltar para o nosso porto seguro cientes de que fizemos o melhor para segurar a nau nesse dia em que o mar se agitou com alguma fúria; não será sempre assim...as tormentas darão lugar à calmaria, se a vida nos der a bênção de um novo dia
Como sempre, Jaime, uma delicia de poema. Um beijinho
Emilia

Minhas Pinturas disse...


Sim navegar é preciso tanto em mar agitado quanto nas calmarias, é a vida, é a luta, é o não desistir, é lutar e vencer.
Bonita poesia, amei
beijinhos, Léah

Mariangela do lago vieira disse...

Lindo Jaime, muito lindo teu poema repleto de esperanças!
E a vida sempre há de querer e abençoar mais um novo dia.
Um abração e tudo de bom pra você!
Mariangela

VITORIO NANI disse...

Sim, amigo Jaime, navegar é preciso!
E como disse o poeta, viver não é preciso.
E eu digo: viver é navegar por essa vida, rasgando a pele, absorvendo fragrâncias marinhas, embriagados pela maresia, ao som de um fado português na apaixonante voz da Amália Rodrigues.
Abraços!

Cidália Ferreira disse...

Fantástico... Maravilhoso. Amei ler.

Beijos, e um resto de semana excelente.
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

MEU DOCE AMOR disse...

Olá:

Vamos e vimos...o pior são esses cabos das tormentas.Está lá sempre um gigante...

Beijinho doce

Célia Rangel disse...

Um poema com traços de uma eternidade que a todos espera... Não há como desviar. Roteiro já traçado.
Abraço.

Pedro Luso disse...

Amigo Jairo,
Gostei muito desta sua mais recente obra.
Um ótimo poema, para ser lido mais de uma vez.
E para empreender essa viagem pelos mares afora.
Grande abraço.

Tais Luso disse...

Quando o Marujo entra no mar com sua Nau, pouco lhe importa se o mar será bravo ou calmo. Pelas idas e vindas acostumou-se a navegar, a enfrentar, a ir e voltar, ciente que sua missão seria enfrentar tanto o pior como o melhor.
Belo, amigo Jaime!
Gostei do tema.
Beijos.

Arco-Íris de Frida disse...

Navegar é preciso... e é de porto em porto que se faz o caminho...

Beijos...

lua singular disse...

Oi Jaime,
Salve Fernando pessoa e a você pelo bom gosto.
Enquanto não sarar os comentários ficarão fechados, pois os remédios são fortes e mais durmo do que fico acordada.
Obrigada pelo carinho.
Acabei de postar o meu aniversário, hoje vou responder os comentários devagar
Beijos
Lua Singular

Aninha Ferreira disse...

navegamos mesmo de muito longe, e vamos para longe, assim esperamos

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Navegar é preciso sobre águas tranquilas e poder apreciar a beleza do mar,mas é preciso ter cuidado para não naufragar.
Amei os versos e perdão se fiz algumas rimas.rs
Bjs Jaime e obrigada pela visita.
Carmen Lúcia.

Majo Dutra disse...

~~~
Maresia, limos, algas, sal e iodo fazem parte dos nossos genes...

Um canto singular de incentivo à bravura e à coragem!

Perfeito e muito belo, Jaime.

Abraço, amigo.
~~~~~~~

Elvira Carvalho disse...

Navegar é preciso por muito que seja difícil dobrar o cabo das tormentas que carregamos.
Um abraço e bom fim de semana

Fábio Murilo disse...

É preciso reinventar, tomar ânsia de mar, inovar. Lutar contra as marés, mangues estanques, poças de lama. Ter a instabilidade dos riachos, rios caudalosos, acidentados e adentrar matas, ir até o mar. Despencar, enfim, cachoeira abaixo, num salto audaz, de quem não mais. Ótima composição poética, Jaime. Abraços!

Manuel Luis disse...

Aquela nau que se fez ao mar sem atracar em terra firme e acabaram por desaparecer deixando somente o diário de bordo. É assim ainda nos dias de hoje.
Abraço

lua singular disse...

Oi Jaime,
Obrigada pela postagem pelo meu aniversário
Beijos
Lua Singular

Ailime disse...

Boa noite Jaime,
Isto sim é poesia e o meu amigo um enorme poeta!
Navegar foi sempre o nosso fado. Hoje como ontem o Cabo das Tormentas a perseguir-nos e a esperança a germinar lentamente dentro de nós.
Belo, muito belo este poema.
Beijinhos e bom fim de semana.

José Carlos Sant Anna disse...

Navegar é preciso... antes que o cansaço e o tédio nos acolha em pleno caminho, em pleno mar. E vamos todos cirandando... Outro belo poema para o deleite dos seus leitores, meu caro Jaime!
Forte abraço e um bom final de semana,

Fá menor disse...

É preciso navegar, atravessar as ondas, descansar na praia...

Beijinhos

saudade disse...

Navegar e preciso. Ir e voltar... E encantar com palavras.... Beijos de...
Saudade

graça Alves disse...

Gostei muito de o ler!
beijinho

lua singular disse...

Oi Jaime
Obrigada pelos votos por ocasião do meu aniversário.
Beijos no coração
Dorli

Andreia Morais disse...

Deslumbrante, como sempre!

r: Obrigada e igualmente :)

Graça Pires disse...

Navegar. Encontrar o cais das partidas e das chegadas. No mar da coragem. Ao dobrar o bojador da vida, nesta viagem que nos cabe...
Muito belo, o poema, Jaime.
Uma semana boa para ti.
Beijos.

Marta Vinhais disse...

E vivemos na esperança de que ali haja finalmente paz... Ou não.... Mas só enfrentando as tormentas é que podemos encontrar a paz....
Gostei muito...
Obrigada pela visita; regressei hoje de férias...
Beijos e abraços
Marta

Telma disse...

Gostei do poema :)

http://trapeziovermelho.blogspot.pt

Inês disse...

Muito bonito :)

Suzete Brainer disse...

Poema excelente e tão belo!
A vida é uma viagem, navegar é (sempre) preciso,
somos viajantes nesta vida...
Uma ótima semana, caro amigo Jaime!
Beijo.

tb disse...

e nessas idas e vindas algures nos perdemos...
Belo poema/reflexão, meu amigo.
Beijinho.

CÉU disse...

Já é canção, já é poema, mas quem não gosta de navegar fica em terra, como eu.

Temos séculos de História e sempre partimos, pelas mais diversas causas, e sempre voltamos, dobrando, conseguindo embora com tormentas concretizar a esperança. E cá estamos, numa nova etapa, mas o mundo, a História não pode parar, pke todos os dias há factos.

Sabe k este não é o tipo de poemas de k gosto mais, mas tenho de reconhecer-lhe mto valor, Parabéns, Jaime!

Beijos e agradeço a sua visita e o seu voltar a olhar (a blogosfera está fraquinha, mas vai começar a animar, acho, já a partir deste fim de semana).

Zilani Célia disse...

OI JAIME!
NAVEGAR É PRECISO, MESMO QUE MUITAS VEZES EM MAR REVOLTO,PARA ENCONTRARMOS, O QUE SEMPRE ESTEVE CONOSCO, NÓS MESMOS.
LINDO E TOCANTE.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Teresa Isabel Silva disse...

Temos que navegar como os nossos navegadores. Não podemos ter medo do desconhecido!

Bjxxx
Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

Ana Freire disse...

Um poema inspirador... que não poderia descrever melhor a alma lusa... sempre com o seu percurso histórico, ligado ao mar...
Navegar é preciso... viver... sonhar... ir e lutar... também!
Beijinho! Continuação de uma feliz e inspirada semana!
Ana

© Piedade Araújo Sol disse...

navegar é preciso
sempre
mesmo que a tormenta exista

um belo momento de poesia

saudações poéticas

:)

Daniel Costa disse...

Jaime
Longe ou perto, sempre teremos de navegar, nau nau da poesia será sempre a opção certa. Quando navegamos tentando segurar no leme deste poema, podemos ficar com a certeza que jamais naufragamos.
Veja e comente o post
Cidade de Ouro Preto
http://amornaguerra.blogspot.pt/
BRASIL: SORRISO DE DEUS.
Abraço

Jaime Portela disse...


============================================================

Caros amigos, obrigado pelos vossos comentários. Voltem sempre.
Entretanto, acabei de publicar um novo poema. Espero que gostem.
Continuação de boa semana para todos.
Saudações poéticas.

============================================================

Toninho disse...

Muito bonito amigo e preciso nas palavras que bem descrevem as aventuras no mar.Por momento fiquei a lembrar de Castro Alves e naveguei na linda inspiração de que navegar é preciso mesmo.
Meu terno abraço de paz.

Agostinho disse...

Na conjugação do verbo se faz
a viagem, com persistência,
que ao fim e ao cabo
as tormentas passam e o mar
faz-se de afeição.

Abraço

Odete Ferreira disse...

"Pelo sonho é que vamos"
Ai de quem não ousa ir...
Muito bom, meu amigo. Bj

Teresa Almeida disse...

Pela viagem sem regresso, um abraço de admiração.