Translate

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Cravos vermelhos


Quando me atrevo,
levanto-me da cadeira-de-rodas
e corro a ver os teus retratos
em curtas-metragens de guiões
decorados à luz dos porões da memória.
Nesses momentos,
conforto-me com o desfilar dos teus sorrisos
[ainda que em passerelles
de filmes ruidosos de saudade],
reúno os bocadinhos de ti,
coloco o mar ao fundo
em louca agitação contra a falésia
e distingo com luz a verdade do teu vulto.
Ouço um andamento triunfal,
entras em cena e, seduzidos,
trocamos tesouros de rotas abrigadas
nas dobras das nossas cartas de navegantes
para afogar pudores declarados
nos zimbórios de outros olhos.
E é com cravos vermelhos nas mãos
que ficamos cegos às cadeiras-de-rodas
que teimam no proscénio.
 
Jaime Portela

44 comentários:

Karocha disse...

Lindo Jaime

Bfs


Bjocas

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Um desfile nesse palco tão triste,por onde as cenas se passaram e ficaram os cravos vermelhos tentando iluminar cenas de um filme deixado por grandes saudades.
É o que entendi Jaime,achei muito lindo.
Bjs e obrigada pela visita.
Carmen Lúcia.

Marta Vinhais disse...

Ás vezes, só vivemos nas memórias... De outros ventos de esperança....
Gostei muito...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Brisa disse...

Meu querido amigo Jaime
E eu sei,que ás Quintas aqui estou com certeza ,salvo algo em contrário...
E aqui vejo a tua luz...
Ouço o mar que se agita e que acalma ao mesmo tempo...
Os tesouros são os teus dedos,a tua alma,que escrevem cravos vermelhos com amor...

Desejo-te um bom fim de semana
Bjo em teu coração

José Carlos Sant Anna disse...

Assim se faz um poema: de "curtas-metragens de guiões decorados à luz dos porões da memória" sem que nos falte "cravos vermelhos", sem que falte pontes entre as margens, sem que falte as imagens, Belo poema, Jaime!

Cidália Ferreira disse...

Como sempre, gosto muito das suas poesias.

Beijinhos

luar perdido disse...

Um guião que o tempo não apagou; antes pelo contrário, incendiou com um punhado de rubros cravos. As cadeiras-de rodas? Essas são a prova que o tempo não mata as memórias mais bonitas, nem os "filmes das nossas vidas", antes lhes emprestam brilho e a sensação de que, com ou sem dores e maus momentos, valeu a pena ser protagonista do filme.
Lindo poema Jaime. Gosto de imaginar os cravos nesse teu "palco".
beijinho de luar. Bom fim de semana

Manuel Veiga disse...

Excelente "reprise", caro Jaime
muto bem "encenada"!

os cravos vermelhos estão viçosos - nota-se!

abraço

Arco-Íris de Frida disse...

E sao os cravos vermelhos que perpetuam na memoria...

Beijos...

Emília Pinto disse...

Chegamos até aqui passando muitas fases da vida e, quando paramos um pouco " corremos apressados ao dia anterior, a algumas semanas, atingimos muitos anos atrás e ficamos assim vendo o filme, um filme ainda a preto e branco , mas que nos faz sorrir, lacrimejar e até mesmo gargalhar; cravos vermelhos havia muito poucos e fraquinhos, de um vermelho desbotado e só em alguns jardins . Agora eles abundam e são vermelhos,bem vivos; "neste agora temos de pensar em seguir em frente até que a vida decida a hora de parar; novas " curta-metragens realizaremos, mas já teremos os cravos vermelhos para lhes dar mais cor; isso não é suficiente , mas ajuda....Em pé...deitados ou sentados numa cadeirinha de rodas podemos sempre pegar um ramalhete de cravos vermelhos e imaginar toda a liberdade do mundo para revermos o pequeno filme da noss vida. Podemos e devemos, Jaime! Obrigada, amigo por mais um belo momento de poesia. Beijinhos
Emilia

lua singular disse...


Maravilhoso!!
O que está esperando para editar seu livro de poesia, faço questão de comprar o primeiro.kkk
Beijos
Lua Singular

Andreia Morais disse...

Poesia fantástica e sempre pertinente!

r: Muito obrigada
Bom fim de semana*

VITORIO NANI disse...

O ambiente onde se passa suas lembranças, expõe realmente, o desenrolar de uma história de amor, num palco cujo cenário tem o mar batendo ao fundo e o gran finale sob as luzes da ribalta!
Foi assim que eu interpretei seu maravilhoso poema, Jaime!
Abraços e bom fim de semana!

Minhas Pinturas disse...

Oi Jaime suas poesias sempre maravilhosas, que bom ter um poeta como amigo compartilhando toda esta bela inspiração, Obrigada.
Beijinhos Léah

Graça Pires disse...

A memória a encenar uma vida com desfile de sorrisos, o mar ao fundo, andamentos triunfais e cravos vermelho. É a vida a passar pelo olhar de quem escreve e de quem lê... Muito belo!
Bom fim de semana.
Beijos.

Teresa Isabel Silva disse...

Palavras encantadoras!

Bjxxx
Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

Ana Carolina Soliter disse...

Amigos meus e da Leninha: apenas para agradecer por todas as demonstrações de afetividade manifestadas no seu blog e pela solidariedade a mim e toda a nossa família.
Estamos bem, dentro do possível. A Leninha postou uma mensagem lá no seu espaço, e quero dizer que ela visitará a todos oportunamente, apenas o tempo de se organizar nesta nova vida que a espera.
Nosso carinho a todos, e nossa gratidão a cada um.
Aninha

Ana Carolina Soliter disse...

Amigos meus e da Leninha: apenas para agradecer por todas as demonstrações de afetividade manifestadas no seu blog e pela solidariedade a mim e toda a nossa família.
Estamos bem, dentro do possível. A Leninha postou uma mensagem lá no seu espaço, e quero dizer que ela visitará a todos oportunamente, apenas o tempo de se organizar nesta nova vida que a espera.
Nosso carinho a todos, e nossa gratidão a cada um.
Aninha

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tare, belo poema com cheiro dos lindos cravos vermelhos.
Bom fim de semana,
AG

CÉU disse...

A memória guarda tudo. Até cravos e cadeiras de rodas!

Bom fim de semana. Beijos.

MEU DOCE AMOR disse...

Olá:

Sorrisos e cravos...

Beijinho doce:)

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Guião magnífico. As cadeiras de rodas continuam. Os cravos vermelhos murcharam há muito.
O Amor, Jaime, no palco ou no proscénio, continua intacto porque é sentimento verdadeiro.
Belo Poema.

Abraço
SOL

Gracita disse...

São as memórias a desfilar as passagens da vida e para guarnecê-las os belos cravos vermelhos. Lindo poema Jaime
Beijos

Majo Dutra disse...

Há fases da vida em que as memórias são intensas e vibrantes
como esplendorosos e perfumados cravos.
Gostei muito do poema, Jaime.
Um final de domingo e uma semana muito agradáveis.
Beijinhos
~~~~~~

Tais Luso disse...

Muito bonito, Jaime, tá sobrando inspiração, meu amigo.
Uma boa semana pra você. Aí chegou o Outono; aqui primavera!
Beijo.

PÈTALA disse...

Estes mares que se agitam
Em marés de tempestades
Mas em cuja poesia agitam
Suas belas cumplicidades!

No proscénio, os cravos tem outro encanto!

Abraço

Fá menor disse...

Não nos devemos deixar confinar às amarras que nos impõem.

Bjos

Pedro Coimbra disse...

Começar a semana em beleza e com beleza.
Aquele abraço, boa semana

Beatriz disse...

Olá Jaime
Obrigada pela visita a meu blog, o que me deixa muito feliz!
Adoro poesias, mas não me atrevo a escrevê-las, somente pequenas crônicas, he he. Um grande abraço e uma ótima semana pela frente!!!

Bia <º(((<

www.biaviagemambiental.blogspot.com

Daniela Silva disse...

também andas de cadeira de rodas ou foi só para a escrita?
Beijinhos e boa semana *

Diamonds In The Sky | Daniela Silva | Fanpage

A Casa Madeira disse...

As vezes da pra ver pudores declarados em outros
olhos.
Outro poema belo.
Faz tempo que não o vejo pela casa.
Sempre me recordo do seu blog. porque jaime é o nome do
meu irmão.
Bom final de mês que se aproxima.
Abraços.

Rosa Mattos disse...

E tudo inicia com a força de vontade, um impulso que liberta os pés para o palco da vida. Bem bonito, Jaime.

Abraços/

☆blog Contos da Rosa☆

tulipa disse...

Boa noite!

Jaime
começo por lhe pedir desculpas
mas...há imenso tempo
que não ando pela blogosfera

Primeiro uns problemas de saúde
agora... estive fora do País
...
estou a regressar aos blogues
aos poucos


Ás vezes, só vivemos nas memórias...
se as mesmas forem boas, mais vale
do que viver neste "presente"
embora esperemos sempre os ventos da Esperança....
Gostei muito...


No início de Setembro acompanhei os meus netos numa aula de surf - fiz um post sobre isso...
e aí sim, acabei por chapinhar na espuma branca
Não queria que terminasse o Verão sem molhar os pés!
...
Finalmente, parece que terminaram aqueles calores loucos
e vai-se aproximando, lentamente o Outono
que eu adoro

Um abraço e uma excelente semana
Tulipa

© Piedade Araújo Sol disse...

as memórias a fluir como se fosse uma cena
e é isso mesmo a vida
uma cena, aliás várias cenas

mas se restam os cravos vermelhos, então tudo valeu a pena

muito bem conseguido

boa semana.

beijinhos

:)

Sandra Sofia Gonçalves Afonso disse...

Lindíssimo poema,sempre gostei muito de flores e os cravos são flores muito bonitas!! Bom final de mês de Setembro para ti,fica bem amigo,muitos beijinhos!!

Fábio Murilo disse...

Parece um quadro, uma tela, pintadas de versos, escrita a pinceis. Gostei, abraços!

Arte & Emoções disse...

Oi Jaime! Passando para agradecer a tua visita e amável comentário deixado no nosso humilde espaço, assim como apreciar mais uma das tuas belas criações.

Abraços,

Furtado.

Ailime disse...

Boa noite Jaime,
Um poema muito belo com um elevado nível literário.
Um desfiar de memórias sustentadas pela esperança que sempre brotará dos cravos vermelhos
Parabéns, Poeta!
Beijinhos,
Ailime

São disse...

Continuo gostando muito dos teus poemas e, referindo-me ao poema anterior, que esses pássaros voem sempre !


Grande abraço

Jaime Portela disse...

============================================================

Caros amigos, obrigado pelos vossos comentários. Voltem sempre.
Entretanto, acabei de publicar um novo poema. Espero que gostem.
Continuação de boa semana para todos.
Saudações poéticas.

============================================================

graça Alves disse...

Lindo, como sempre!
bj

Odete Ferreira disse...

Excelente conjugação semântica dos segmentos linguísticos "cadeira de rodas" e "cravos vermelhos".
Bjo, Jaime :)

Ana Freire disse...

Um poema lindíssimo... sobre um amor... maior do que a vida... daqueles amores que duram para sempre...
Adorei, Jaime!
Beijinho
Ana

Teresa Almeida disse...

Deixo-te um imenso abraço de reconhecimento. É que sinto que me foste buscar às lonjuras onde me perdi.