Translate

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Dando graças não sei a quê



É no caminho que se rasgam teias,
mas onde também se consomem asas
numa selva gorda em ruídos
e magra em primores de silêncios.
A consistência dos passos que precisamos,
pode ser imprecisa,
mas é indispensável na amálgama
de cruzadas em rotas de sincronia aparente.
O peso da vontade é a resultante
quase sempre proporcional à força
da importância que a sua essência confere,
mas a espera da comunhão
com outros passos errantes
é palha seca de acenos que arde
se não a humedecemos com sonhos.
Há temor e desejo pela curva cega da estrada,
mesmo sabendo da incerteza posterior,
como fado de uma pátria
que se procura perdendo-se
em labirintos de vinho de castas perversas
e em populismos feitos a martelo
que muitos bebem na raça.
Deveria sentir medo, ou até pânico,
mas rio quando me vejo ao espelho
a congeminar palavrões,
dando graças não sei a quê.
                                    
Jaime Portela

42 comentários:

Karocha disse...

Dando graças à vida talvez Jaime

Bjocas

bfs

Cidália Ferreira disse...

Maravilhoso,o seu poema. Parabéns

Bom fim de semana.
Beijinhos
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Daniel Costa disse...

Belo e mais que oportuno poema a suscitar a seguinte pergunta: porque os políticos não auscultam os poetas, para sentir as suas sensibilidades, já muito, para não dizer todos, em conjunto, são insenciveis.
Reportando-me à descoberta do Brasil e posterior ocupação, se vista à luz da época é para orgulhar e muito o "nosso" povo, que além de expulsar os espanhóis, teve de expulsar os holandeses do Brasil, que começaram por os retaliar no Brasil, ainda na era do Filipes, após a saida do seu jugo na Europa.
Agradeço que veja, leia e comente BRASIL - O SORRISO DE DEUS.
ALAGOAS, A GUERRA COM OS HOLANDESES E O QUILOMBO DE PALMARES
Abraço

Marta Vinhais disse...

Há sempre curvas cegas na estrada e incertezas... Que temos que enfrentar, vencer... sem que o medo, o pânico nos domine...
E se estamos vivos, porque não dar graças por isso?
Obrigada pela visita...
Beijos e abraços
Marta

Brisa disse...

Meu querido amigo Jaime
O que é a vida sem sonhos! Dou-te graças à leveza e firmeza das palavras escritas com alma de Poeta...
Belo...

Bjo e desejo-te um final de semana feliz

Rosa Mattos disse...

oi Jaime, achei a primeira frase um primor.

Arco-Íris de Frida disse...

Darmos graças por sermos como somos, distantes das castas perversas...

Beijos...

Tais Luso disse...

Pois é, de tão ruim e desenfreadas que estão as coisas, de tão decepcionados que estamos, acabaremos por dar graças por estarmos vivos!
Lembrei, lendo seu belo poema, da canção de Mercedes Sosa quando canta "Gracias a la Vida" - Letra de Violeta Parra. Uma coisa puxou a outra...rs
Bjs, amigo Jaime!

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Agradecemos sempre pela vida,por mais obstáculos que nos apareçam.
Jaime,suas palavras nos levam para grandes reflexões!
Adorei.
Bjs,obrigada pela visita e um ótimo final de semana.
Carmen Lúcia.

Pedro Coimbra disse...

Que óptima maneira de começar o fim-de-semana, Jaime Portela
Aquele abraço, Bfds

Lia Noronha disse...

Jaime: um poema que nos remete a uma reflexão sobre a vida e o seu sentido pleno.

Abraços carinhosos a ti querido amigo.

VITORIO NANI disse...

É a incerteza quanto aos rumos do mundo que inspira o poeta a caminhar sobre o fio da navalha, temendo a próxima curva, sob o domínio de governantes populistas ameaçando tolher a liberdade dos homens de bem!
A sua sensibilidade política neste poema, Jaime, fica clara diante da nossa impotência e você, ironicamente, encerra assim:" Deveria sentir medo, ou até pânico, mas rio quando me vejo ao espelho a congeminar palavrões, dando graças não sei a quê."
Abraços!

Graça Pires disse...

A vida é assim, incerta e a encher-nos de dúvidas. E damos graças à vida por podermos dizer como a Sophia: vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar...
Um bom fim de semana, Jaime.
Beijos.

Ana Freire disse...

A vida... esse não sei quê... tão pleno de incertezas, desilusões, sonhos, e mil e uma emoções...
Mas que vale sempre a pena... pelo que haverá sempre um motivo para dar graças...
Uma brilhante reflexão sobre a vida, neste seu belíssimo poema, Jaime!
Beijinho! Bom fim de semana!
Ana

PÈTALA disse...

A vida que nos fazem trilhar
Em tempos de bons alunos (…)
Muitos nos andam a roubar
Mas chamando-nos, gatunos!

Muita coisa tem de ser rasgada para voltar a fazer de novo. Se ainda se for a tempo…

Bom fim-de-semana

Abraço

Majo Dutra disse...

Sempre é melhor rir do que chorar...
Pode ser que não seja assim tão mau...
Um desabafo poético...
Grande é o estro!
Beijinho, amigo.
~~~~~~~~~~~

A Nossa Travessa disse...

Caro Jaimamigo

Gostei, gostei muito e tanto que até transcrevo o passo que me encantou: como fado de uma pátria
que se procura perdendo-se
em labirintos de vinho de castas perversas
e em populismos feitos a martelo
que muitos bebem na raça.


======================= ATENÇÃO ====================

NA NOSSA TRAVESSA
UM FUNERAL Á MANEIRA
Publico hoje mais um artigo – o quarto – da SAGA DA ALZIRA com o título acima. Convido todas/os à sua leitura e comentários. Obrigado.
Agradeço igualmente a divulgação desta informação.
Henrique, o Leãozão



Edith Lobato disse...

É nessa cenário que tentamos um viver mais digno, vivendo com a indignação da desigualdade que vemos. Espetáculo de poema. Parabéns pelo blog.
Obrigada pela visita e leitura em meu blog.
Bom fim de semana e bela noite.

Ailime disse...

Boa noite Jaime,
A vida e as suas linhas curvas ou rectas ou ambas como um rio que desde a nascente torneia variadíssimos obstáculos até que o mar o abrace.
Há que ter esperança e dar graças pelo simples facto de podermos sentir, ouvir e olhar mesmo aquilo que não apreciamos!
Beijinhos e bom fim e semana.
Ailime

Andreia Morais disse...

Maravilhoso poema!
Bom domingo*

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Jaime,
que lindo texto.
Muito bom vir aqui
ler e em encantar.
Bjins
Catiaho Alc.

Pedrasnuas disse...

Dando graças por ser diferente e ter plena consciência do que nos rodeia...e fazermos mais e melhor; é daqui que nasce a esperança!

Uma construção poética magnífica!

Boa semana querido amigo JP

Beijo

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

O que mais nos indigna é a aparente força da dignidade que não se exprime pela violência; O que mais dói é sabermos isso e mantemos uma quase indiferença do que se passa na nossa vida.
Um grito de revolta contida.

Abraço
SOL

Agostinho Barros disse...

Gostei do texto caro Jaime :).

r: o que sentimentos é o que importa !

www.culturadeescape.blogspot.pt/

Become part of Cultura de Escape World:
Facebook PageBloglovin'Blogs de PortugalGoogle +InstagramPinterest

luar perdido disse...

O vinho feito a martelo, que mais parece veneno, e que -diga-se de passagem-, tantos glorificam como de "excelente casta", por ignorância ou por força das circunstâncias, é a beberagem dos perversos e ignóbeis.
Mas há vozes, corações, almas e vontades férreas que não se calam: denunciam com palavras, actos e rebeldia a verdade no espelho da vida.
Jaime, acredita que dês graças À VIDA, à FORÇA e à GARRA.

Parabéns por mais um momento belo de poesia e "denuncia".
Beijo e boa semana

Aninha Ferreira disse...

medo? de olhar ao espelho? ria i ria mt dizendo os palavroes q qiser i ria-se disso s e isso q qer... o importante e rir e n sentir medo

Mariazita disse...

Poema reflexivo, muito pertinente.
De facto, olhando ao nosso redor, com tantas calamidades acontecendo, é caso para perguntar: dar graças a quê?
Mas o sonho, esse sonho que faz o mundo avançar, não nos abandona nunca.
Acompanhado da Esperança, é ele que nos leva a dizer: Graças por me sentir vivo!
Gostei. MUITO!

Re: Há uma terceira parte, sim. Já está à vista... aguardando-te, amigo Jaime.

Votos de uma semana muito feliz.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Sousa de Castro disse...

Jaime, não sabia desta tua veia para a poesia, fiquei impressionado com alguns poemas que tive o cuidado de ler, este último, " Dando Graças a não sei a quê" Cito: A consistência dos passos que precisamos,
pode ser imprecisa,
mas é indispensável na amálgama
de cruzadas em rotas de sincronia aparente.] É, leva-nos a pensar várias situações na nossa vida!É sintomático! Gostei deste poema.

Alfa Bravo (abraço)

Sousa de Castro (SdC)

Suzete Brainer disse...

Um belo poema crítico, com um grito inconformado,
gosto muito também destes teus poemas que abordam
a crítica, amigo Jaime.

Uma ótima semana, Poeta!
Beijo.

São disse...

Grato abraço por este início de semana, meu amigo.

Arte & Emoções disse...

Olá Jaime! Belo e profundo o teu poema, com ênfase para a estrofe abaixo:

O peso da vontade é a resultante
quase sempre proporcional à força
da importância que a sua essência confere,
mas a espera da comunhão
com outros passos errantes
é palha seca de acenos que arde
se não a humedecemos com sonhos.

Geralmente a reação depende da ação.

Abraços,

Furtado

Emília Pinto disse...

Diz-se sempre que a vida é bela e que devemos agradecer todos os dias pelo que ela nos dá, mas, infelizmente, não é bem assim; há pessoas que não podem dar graças à vida, pois esta só lhes dá sorimento. Estamos numa época, de muita festa, de luzes coloridas por todo o lado, de desenfreado consumismo para que naquela noite de consoada não falte nada, principalmente presentes. Mas....para muitos é uma época de muita, muita tristeza; as luzes fora piscam coloridas, mas dentro de algumas casas, a escuridão é grande, o frio muito e na mesa , se houver pão já é uma alegria.
Não há motivos para agradecer, há sim, temor " da incerteza" do dia seguinte, dos passos que terão de dar, muitas vezes em vão, para tentar que na mesa, além da toalha tenha pão. Jaime, obrigada por este momento, como sempre de bela poesia e desejo-te tudo de bom, principalmente saude. Um beijinho
Emilia

Toninho disse...

Muito bom caro amigo Jaime, parece uma inspiração cá do Sul com todas as suas mazelas e toda espécie de injustiça. A gente ri e às vezes se pergunta de onde vem esta ousadia de sorrir?
E nem mesmo os palavrões livram o sensíveis destas angustiantes inquietações.

Que a semana lhe seja leve e que a soma das forças do bem seja o resultado favorável que nos faz arrastar esta vida.
Meu terno abraço amigo.

graça Alves disse...

Deveras muito bom, Jaime!
bjs

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, nada é perfeito, o inesperado acontece, ultrapassar os obstáculos que surgem é necessário, o caminho continua sem deixarmos de ser o que somos, o poema é fantástico e objetivo.
Continuação de boa semana,
AG

CÉU disse...

Poema político-social, enfim, desabafos! Beijos.

rosa-branca disse...

Mais um grito de revolta e com tantas castas perversas, populismos feitos a martelo e tantos passos errantes só tens que dar graças por não pertencer a essa linhagem e manteres a tua dignidade imaculada. Boa semana e beijos com carinho

Jaime Portela disse...

============================================================

Caros amigos, obrigado pelos vossos comentários. Voltem sempre.
Entretanto, acabei de publicar um novo poema. Espero que gostem.
Continuação de boa semana para todos.
Saudações poéticas.

============================================================

© Piedade Araújo Sol disse...

JP

um poema pertinente e como um grito de revolta.

mas dando graças por ter o dom da vida, acho eu, ou pelo menos assim o interpretei.

beijinho

:)

Lilazdavioleta disse...

" dar graças não sei a quê " , é a força maior de dar graças .

Um beijo ,
Maria

Teresa Almeida disse...

"... mas a espera da comunhão
com outros passos errantes
é palha seca de acenos que arde
se não a humedecemos com sonhos."

Se não fossem os sonhos, quem seríamos?
Gostei de caminhar contigo.

Beijo.

Agostinho disse...

Se os palavões tiverem graça...
alguém os receberá por graça.

Abraço.