Translate

quinta-feira, 25 de maio de 2017

À margem dos sentidos



À margem dos sentidos
que as mantêm cativas,
trago comigo palavras soltas
que me querem decifrar,
que lutam entre si
para me retalhar indignamente
e devassar esconderijos
que eu próprio desconheço.

Destes pássaros altruístas,
que cantam por tudo e por nada
continuamente de graça,
não fujo nem me salvo,
porque entre eles e eu
há uma certeza cravada
que se arruína
mal se constrói à deriva no não dito,
naufragando sem rumo
nas brumas do sentido.

Entretanto, em fila indiana,
o rebanho manso das palavras
vai sendo riscado em poemas
vivos de pássaros
pousados nas linhas,
que se organizam
na mira dos contornos de um retrato
que só desvendado adivinho.



Jaime Portela


55 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Maravilhoso poema, como já nos habituou! Amei

Beijos
Bom dia

lua singular disse...

Oi Jaime,
Adoro esse jeito culto de escrever que às vezes preciso ler várias vezes. Palavras soltas tanto nos ferem como nos aplaudem.
Prefiro palavras no indicativo para que no auge da ignorância, alguém sai ganhando, pois palavras soltas são como uma faca de dois gumes.
Beijo no coração
Lua Singular

Karocha disse...

Belíssimo poema Jaime .

E os Pássaros ...

Bfs


Bjocas

luar perdido disse...

Em fila indiana, em grupos, em bouquets ou simplesmente soltas e livres, as palavras são um rebanho manso, mas apenas nas mãos do poeta. Porque mal ele as liberta do seu toque elas agigantam-se, crescem, elevam-se e tornam-se em hinos à vida, ao amor, à paixão, ao infinito.
Será na margem dos sentidos, de todos os sentidos, que repousa este poema de uma intensidade imensa. Muito própria das tuas mãos, querido Amigo.
Eu, vou sentar-me nesta margem e saborear mais esta pérola.

Bom fim de semana.
Beijo de luar

Lucia Silva disse...

Que poema magnífico, profundo, repleto de sabedoria! Prende nossa atenção do início ao fim. Adoro ler-te, beijos carinhosos!

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Palavras delineadas delicadamente em cada verso.
Parabéns por nos compartilhar amigo Jaime.
Bjs e obrigada pela visita.
Carmen Lúcia.

manuela barroso disse...

Uma definição exacta de como se trava uma batalha ! Neste labirinto de emoções e sentidos , elas fogem , mordem, atormentam as mãos para nos afogar com elas. E como elas sorriem para ti , Jaime !
Belíssimo :)
Beijo !

Arco-Íris de Frida disse...

A margem dos sentidos, mesmo que por vezes desconhecemos a nos mesmos, é onde somos o que realmente somos...

Poema belo...

Beijos...

Daniel Costa disse...

Jaime Portela
Se bem li o poema, ele se presta a um interpretação: tanta informação sugere-nos, sermos nós os formadores da nossa opinião. Sendo assim o poeta se desvia de naufragar.
Abraço

Marta Vinhais disse...

As palavras são sempre guerreiras... Desafiam os sentidos, as memórias...
Mas nunca estão à margem... Porque são fortes....
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Ailime disse...

Boa tarde Jaime,
E assim nasce a poesia!
Um poema magnífico.
Beijinhos,
Ailime

Graça Pires disse...

Adivinhar as emoções e transformá-las nas palavras do poema...
Gostei, Jaime.
Um beijo.

Vanessa disse...

Que poema belo, como todos!!
Todos deveriam apreciar o poder das palavras!!
Um grande abraço amigo Jaime.

Brisa disse...

Olá Jaime

Li e reli o teu poema e as palavras ficaram mudas...

Desejo-te um bom final de semana
Bjo meu querido amigo

Franziska disse...

Somos uns perfectos desconocidos para nosotros mismos. Paciencia. Pertenecemos a la esspecie que todo lo complica y magnifica. Así somos.
Gracias por tu visita al rincón del gato irónico. Saludos cordiales.
Franziska

Majo Dutra disse...

Pois os Pássaros altruístas pousados em vinte e seis linhas, mais uma vez produziram um poema de beleza singular...
Uma dissertação sobre a génese do poema, em metáforas originais e graciosas...
Gostei muito, Jaime.
~~~ Beijo ~~~
~~~~~~~~~~

Aleatoriamente disse...

Olá Jaime
poeta que encanta olhares com belos poemas.
Te comentar é impossível algumas vezes
porque a dança das palavras são ritmadas
belas e não deixa estabelecer um sentido
do meu não entendimento poético.
O que sei é que: te lê é POESIA.

Beijo

Andreia Morais disse...

Belíssimo!

r: É um pouco como tudo.
Obrigada e igualmente :)

Rita Norte disse...

As palavras a formar um poema único que me deixa a pensar no poder que as palavras têm em nós. As suas são arte e, por isso, nunca ficam à margem dos sentidos.
Beijinho

Emília Pinto disse...

Impensável " decifrar palavras" escritas de um poeta, andem elas soltas ou não; podemos lê-las e deixar que entrem em nós e juntas, as tuas e as nossas, tentem entender a devassa constante aos sentimentos inquietos de nossas almas; são inquietudes só nossas e que muitas vezes nem nós entendemos. Não devemos fugir desses " pássaros altruistas ", porque depressa voarão para outros lados, sedentos de novos " esconderijos a devassar e nós ficaremos livres para continuarmos a tentar alinhar na nossa alma as palavras soltas que lutam para formarem a frase certa que nos aquiete. Não tentei decifrar as tuas palavras, amigo, e muito menos o que se passa no teu " esconderijo " mais precioso, mas sim juntar aqui umas palavrinhas minhas não tão poéticas, mas de certeza sensiblizadas com a beleza das tuas. Parabéns pelos sentimentos que sempre colocas nas margens deste rio que corre sereno num leito feito de poesia. Beijinhos
Emilia

Vera Lúcia disse...


Olá Jaime,

Para um poeta do seu quilate deve ser difícil conter as palavras que brotam como enxurrada do seu eu poético. Censurá-las deve ser uma tarefa árdua-rsrs.

"Entretanto, em fila indiana,
o rebanho manso das palavras
vai sendo riscado em poemas
vivos de pássaros
pousados nas linhas,
que se organizam
na mira dos contornos de um retrato
QUE SÓ DESVENDADO ADVINHO." (Grifei! Interessante!)

Ótimo final de semana, grande poeta!

Abraço.

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Maravilhoso poema.
Muitos parabéns.
Um bom fim de semana.
Abraço

Maria Luisa Adães disse...

Saúdo o teu poema
a tua forma de dizer
a tua maneira de ser
e a tristeza de não te acompanhar

"Naufragando sem rumo
nas brumas do sentido"

Tu o dizes
e acredito em ti!

A porta do milagre continua fechada
e aguardamos que a tempestade passe
e não olhe para o lugar
onde nos encontramos
Esperando a abertura da porta dos Milagres



Maria Luísa

Bandys disse...

Pelos seus dedos pinguam poesias que so o
coração sabe enxugar.
Lindas palavras.
Feliz sexta com raios de sol.
Beijos

Carpe Diem disse...

Parabéns por este excelente texto! Estou a conhecer o seu blogue e estou a gostar bastante do que leio. Aproveito para agradecer a sua visita ao meu.

Um abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

JP

emoções e guerras entre o Eu e a palavra
palavras que nem sempre se escrevem
mas brincamos com elas e nas entrelinhas
podemos ler um oceano de sentires

muito belo!

bom fim de semana.
beijinhos
:)

Maria Rodrigues disse...

E as palavras se reuniram para formar um belíssimo poema
Bom fim de semana
Um abraço
Maria

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Um rebanho de palavras construído no sentir de Poeta.
Muito belo, Jaime.

Abraço
SOL

Agostinho disse...

Quantas madrugadas Jaime, na correnteza as palavras afluem em soluços indistintos, como bastardas sem pai?
Fazem-se esquivas, desentendidas, mas no fundo àvidas pelo calor da mão que as afeite ao verso.
Belo poema, amigo.

Zilani Célia disse...

OI JAIME!
NUNCA HAVIA OUVIDO ALGO TÃO BONITO A RESPEITO DAS PALAVRAS NAS MÃOS/CANETA, DO POETA, SÃO REBANHOS MESMO QUE ELE VAI ORDENHANDO LENTA E POETICAMENTE.
MAIS UMA OBRA INTOCÁVEL.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Teresa Almeida disse...

E como se arrumam e se cativam!
É uma devassa plena de liberdade e beleza.
Não te salves, meu amigo Jaime!

Beijinho.

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

À margem de meus sentidos
Tudo se passa e eu não sinto
Perdido no labirinto
Dos instintos distorcidos

Por ditames escondidos
Não sei se n'alma ou no instinto
Ancestral que é distinto
Dos que batem aos meus ouvidos

Como se fossem doutrina
Que comigo não combina
Porque eu sou diferente

Se a minha alma é divina
E eu sendo animal por sina
O que eu sou não estou ciente.

Belíssimo poema o teu, Jaime! Parabéns! Faz a gente refletir e nos dá inspiração para divagar. Grande abraço. Laerte.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, belo poema de palavras soltas, alinhadas pelas margens.
Bom fim de semana,
AG

lua singular disse...

Oi Jaime
Obrigada pelo carinho da sua visita.
O Brasil precisaria de um Getúlio Vargas, eu não o conheci, mas estudei na história, mas minha mãe só faltava idolatrá-lo.
Um bom fim de semana
Lua Singular

tb disse...

Assim vagarosamente se vão desfiando as palavras/poemas que nos encantam!
Gostei muito, amigo!
Um beijo.

Andreia Morais disse...

r: Sempre de moral levantada :p ahahahah
Obrigada e igualmente*

Minhas Pinturas disse...

Magnífico poema, grata por compartilhar.
beijinho, Léah

Smareis disse...

Bom dia Jaime!
Poema atilado, magistral e profundo.
Eu amei!
Que seu domingo seja cheio de coisas boas.
Boa semana pra ti!
Um abraço e um sorriso!
Escrevinhados da Vida

Ana Freire disse...

À margem dos sentidos... descobrem-se por aqui caminhos alternativos... construídos pelo talento e inspiração, do Jaime!...
Mais um lindíssimo poema, que é uma verdadeira celebração do papel da poesia... Adorei!!!
Beijinho! Bom domingo e uma óptima semana!
Ana

redonda disse...

Cheguei aqui pelo link no blogue Art and Kits
- gostei muito do seu poema que está lá - e vou aproveitar para descobrir um pouco mais da sua poesia e do seu blogue.
Gabriela

Fernanda Maria disse...

O que seria do poeta sem as palavras guerreiras, sem as palavras doces e sem as palavras intrometidas.
Todas elas se conjugam na sua excelente poesia amigo Jaime.

Um beijinho
Fernanda

A Casa Madeira disse...

Gostei de ler, estamos todos em alguma margem.
Boa entrada de semana.

Tais Luso disse...

Quando contemplo um belo poema, escrito com ideias e harmonia, fico feliz e penso como o poeta é sensível, diz o que quer dentro das regras, mas com conteúdo.Isso é talento, amigo poeta.
Beijo, um ótima semana!

Pedro Coimbra disse...

Mais um escrito de grande sensibilidade.
Aquele abraço, boa semana

São disse...

Ainda bem que não foges nem te salvas ....porque assim, nos delicias com a tua bela poesia

Boa semana :)

Mariazita disse...

Gosto de pássaros... e gostei muito do poema.
É lindo, amigo Jaime.

Votos de uma semana muito feliz.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS


Odete Ferreira disse...

Costumo dizer que as palavras são encantatórias e para definir essa sedução, esse poder -no teu poema- nada mais apropriado que este sublime verso de Camões "Transforma-se o amador na cousa amada"
Excelente, Jaime. Bjinho 👏

Pedro Luso disse...

Caro Jaime, gostei muito deste seu poema, nessa busca do poeta do seu mundo interior, nem de todo conhecido, uma façanha introspectiva poética. Parabéns.
Um grande abraço.

Arte & Emoções disse...

Parabéns Jaime! Poema belo, profundo e um tanto metafórico.

Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

Furtado

Fá menor disse...

"São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.
(...)
Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?" (Eugénio de Andrade)

Boa semana, amigo Jaime. Beijos

Daniela Silva disse...

Obrigada pela partilha maravilhosa :)

Um beijinho no coração.

Diamonds In The Sky, Daniela Silva
Giveaway Internacional Yves Rocher

Jaime Portela disse...

*******************************************************************************

Caros amigos, obrigado pelos vossos comentários. Voltem sempre.
Entretanto, acabei de publicar um novo poema. Espero que gostem.
Continuação de boa semana para todos.
Saudações poéticas.

*******************************************************************************

Daniel Costa disse...

Adoro o tipo de poemas deste tipo que, além de natural beleza, em si, ostentam ritmo, Jaime Portela.

Leia e comente BRASIL – O SORRISO DE DEUS
Forte de Santa Catarina do Cabedelo
http://amornaguerra.blogspot.pt/

Abraço

graça Alves disse...

E de palavras são construídos nossos dias.
Belas, estas palavras.
beijinho

FILOSOFANDO NA VIDA Profª Lourdes Duarte disse...

Bom dia Jaime Portela! gosto muito de poesias e as suas me chamaram atenção.Gostei do seu blog e já estou seguindo com um dos meus perfil. Se desejar conhecer os meus será bem vindo.
Um belo poema descreves a força das palavras como elas podem causar o bem com destruir e vale refletir. um abençoado Domingo. Abraços