Translate

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Cansado das palavras


Cansado das palavras,
saí da tua pintura e abracei-te.
Puxaste-me para ti,
espaço esmaltado num pedestal
que ansiava descer para o meu.

Para trás, nesse preciso momento,
ficou a construção,
traço a traço, dos alicerces
sobre os quais
hasteámos a nossa bandeira.

Hoje,
das janelas do nosso castelo altaneiro,
olhamos os frutos
de uma planície verde e sem nuvens,
uma tela feita de nós próprios.


3 comentários:

Elaine Regina disse...

As imagens dos seus poemas são geniais e lindas. Nossa...

CÉU disse...

Olá, Jaime!

Nem me lembrava já, que o tinha comentado, sinceramente falando, mas fico muito honrada com a sua visita e promessa.

Falar do que o Jaime escreve não é fácil, porque é mestre nestas lides.
Este seu mais recente poema está de um realismo atroz, mas liricamente encantador. É evidente k nos cansamos só de palavras. Precisamos sair das molduras e deixarmos de ser seres inertes. As nossas vontades não se podem adiar. Depois, damo-nos e haverá frutos, que amamos, incondicionalmente.

Bom fim de semana.
Saudações.

Arco-Íris de Frida disse...

Palavras por vezes cansam... melhor agir...