Translate

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Concerto num auditório quase só cheio de surdos


As palavras escorrem
como solos inocentes de um pianista aprendiz.
As mãos ardem nas teclas
como contraponto ao público embriagado
de frases líquidas
no substrato do verso abstrato.
O destilado entra,
implacável,
nas veias dependentes de ilusões.
O enlevo das palavras,
vertidas na vertigem da miragem,
vai perfurando entranhas
e há cada vez mais sedentos
à porta de vidros à prova de bala.
A provação da verdade das emoções
e o deserto da crua mentira,
espreitam nutridas
no espelho da caricatura dos olhares.
A indecisão
de continuar a comprar ópio maldito
ou de partir o piano a meio do recital,
perfura os tímpanos e não se ouvem respostas.
Mas a esperança
da harmonia dos andamentos
faz continuar o concerto num auditório
quase só cheio de surdos.

Jaime Portela

51 comentários:

Brisa disse...

Olá Jaime

Palavras poderosas tem este texto... És um grande Poeta

Bjo e desejo-te desde já um ótimo fim de semana que se aproxima

Majo disse...

~~~
~~ Gostei da sátira, Jaime.

Subtil e elegantemente jocosa...

~~~ Muito interessante!

~~~~ Beijinhos, amigo.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

graça Alves disse...

Espetaculares as metáforas deste texto!
Também assim sinto!
Parabéns!

Cidália Ferreira disse...

Fantástico e profundo!
Amei

Beijo e uma noite feliz

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Ana Freire disse...

Um poema bem pertinente nos tempos actuais... este país realmente tornou-se num auditório de surdos... perante tantas promessas infundadas da classe política... visando qualquer cargo... agora até para presidente... se fazem as mais mirabolantes promessas... relativas a um cargo, ao longo dos últimos anos, de funções esvaziado, burocratizado, e meramente decorativo... mas é verdade... apesar deste deserto de crua mentira... a esperança ainda persiste... nos olhos de quem a tudo isto assiste...
Adorei este concerto... em dó maior... que é o que eu sinto, pela classe política em geral... são mesmo de meter dó... para mal dos nossos pecados...
Abraço! Bom fim de semana, Jaime!
Ana

mム尺goん disse...

...tão atual!!!
tão meu Brasil!!!!


abç

Blog da Gigi disse...

Abençoado final de semana, Jaime!!!!!!!! Beijos

© Piedade Araújo Sol disse...

JP
um poema que retrata a época que atravessamos.
forte e com sátira qb sarcástico e real.
bom fim de semana.
beijos
:)

Marta Vinhais disse...

Fala-se, toca-se alto, mas ninguém escuta verdadeiramente... Todos ouvem só o que lhes convém...
Brilhante....
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Olá Jaime,lendo seu texto me faz lembrar muito o Pais em que vivo(Brasil)pois acho que há muitos surdos e cegos que não vêem o que está acontecendo com a nossa população.
Realmente devemos ter um auditório repleto de pessoas surdas e que aplaudem sem saber o motivo.
Adorei o texto,bem reflexivo.
Bjs,obrigada pela visita e um ótimo final de semana.
Carmen Lúcia.

brisonmattos disse...

surdos uma ova porque estou lendo bem esse texto trincado de duras emoções.

Ana Simões disse...

Adorei o poema, como todos. Pleno de metáforas tão bem aplicáveis aos actuais tempos que correm... surdos cegos, alguns, outros resignados e mudos... assim deambulamos por esta vida, na esperança de um "concerto" que nunca termina...
Lindo !!!

Um excelente fds. Jaime. Beijos

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Não há maior tolo que o que não quer ver... ou ouvir. A verdade é que "(...) o tempo é esquecimento(...)" e a gente esquece depressa. A falta de discernimento vai conduzindo ao acomodar pernicioso.
"Será que estamos para sempre condenados a mais do mesmo...?"
Poema de reflexão para abanar consciências.

Abraço
SOL

Emília Pinto disse...

Por vezes, o melhor fazermo-nos de surdos neste mar imenso de interesses que a qualquer custo sobem os degraus espezinhando aqueles que, por um motivo ou outro se sentam na escada esperando a oprtunidade de seguir um pouco mais. E esperam, esperam com paciência e com a esperança firme de que terão a sua chance. Amigo, aos poucos estou voltando à minha vida normal, depois desta longa ausência e, claro não podia deixar de me apressar a visitar os meus amigos. Não foi tão depressa como eles mereciam, mas, sabes como é, quando se volta a casa há sempre muito a fazer. Um beijinho e bom fim de semana.
Emília

Magda Carvalho disse...

Um poema com excelentes palavras.
http://retromaggie.blogspot.pt/

Ana Tapadas disse...

Esses são os concertos poderosos!

Beijinho

CÉU disse...

Percebo tão pouco de "música"! É a minha sorte! Enfim, palavras e mais palavras, que, daqui a uns tempos, vão todas se encontrar no meu lugar. Pertinente e atual!

Beijo e bom fim de semana.

Mariangela do Lago Vieira disse...

Perfeito Jaime, este teu poema retrata muito bem este tempo em que vivemos...
Uns fazem, enxergam e escutam apenas o que querem!E outros, esperam o milagre acontecer.E assim vai...
Uma boa Noite!
Abraços,
Mariangela

Vera Lúcia disse...


Olá Jaime,

Um fantástico e forte poema de insurgimento, construído com inteligência e talento poético. Admirável.

Continuo mesmo sem condições de retornar, pelo menos por ora, contrariando o meu propósito de retornar em janeiro, que já está quase em seu término. Mas vamos que vamos... rsrs

Abraço.

Vieira Calado disse...

Um belo concerto. Muito bem composto!
Os surdos, que se lixem!

Forte abraço!

Mariazita disse...

Há demasiado ”público embriagado
de frases líquidas”, prenhe de ilusões, indeciso entre aplaudir ou renegar.
Alguns, poucos, continuam esperançosos.
Até quando?

Votos de excelente Domingo
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Lu Nogfer disse...

Belíssimo e intenso. Amei como sempre!

Otimo finalzinho de semana!

Beijos.

heretico disse...

excelente "charge" sem no entanto se perder a musicalidade que imprimes a tua poesia.

excelente.

forte abraço, caro Jaime Portela

Canteiro Pessoal disse...

Que escrito tremendo!

Abraços,
Priscila Cáliga

Ailime disse...

Boa noite amigo,
Um poema genial em que a sociedade actual está aqui fielmente retratada.
Muito bem construído, com uma intensidade que comove.
Andamos quase todos surdos ou não queremos ouvir...
O Poeta Vieira Calado disse bem;))!
Beijinhos e boa semana.
Ailime

tulipa disse...


Olá Jaime

Obrigado pela visita.
Diz que gostou da maneira positiva com que é abordado o início do novo ano.

Sou sempre assim, Jaime.

Só que depois, levo tanto pontapé que é impossível não ficar mais negativa...
É isso que tento fazer:
Aproveitemos bem cada um dos momentos que ele nos proporcione.

Por aqui, encontro um Poeta
que sabe muito bem o que escreve
e até consegue fazer poesia com
as adversidades da Vida.
PARABÉNS.

Um poema bem pertinente nos tempos actuais...
seja cá ou fora...o Mundo está cego e surdo

Apesar de tudo, a esperança ainda persiste...

Odeio a política e os políticos, por isso pouco me refiro a essa gente.
Não gosto de perder tempo com quem não merece.
Boa semana, Jaime!

tulipa disse...


Olá Jaime

Obrigado pela visita.
Diz que gostou da maneira positiva com que é abordado o início do novo ano.

Sou sempre assim, Jaime.

Só que depois, levo tanto pontapé que é impossível não ficar mais negativa...
É isso que tento fazer:
Aproveitemos bem cada um dos momentos que ele nos proporcione.

Por aqui, encontro um Poeta
que sabe muito bem o que escreve
e até consegue fazer poesia com
as adversidades da Vida.
PARABÉNS.

Um poema bem pertinente nos tempos actuais...
seja cá ou fora...o Mundo está cego e surdo

Apesar de tudo, a esperança ainda persiste...

Odeio a política e os políticos, por isso pouco me refiro a essa gente.
Não gosto de perder tempo com quem não merece.
Boa semana, Jaime!

manuela barroso disse...

Um concerto desconcertante . Sátira mordaz . Belíssimo bailado de metáforas ! Cada vez mais surpreendente !
Abraço , querido amigo J. *

Andreia Morais disse...

Maravilhoso poema!

r: Muito, muito obrigada.

Elvira Carvalho disse...

Interessante e actual. Afinal, o que é o País nesta altura senão um auditório de surdos?
Um abraço e uma boa semana

rosa-branca disse...

É sempre a esperança que nos faz andar para a frente, mas a nossa juventude precisa de mais...muito mais. Um poema (que adorei)escrito no fio da navalha. Caso não te importes vou partilhar no meu facebook, pois é digno de ser lido, talvez por algum surdo...ou muitos.. Jaime, tem uma boa semana e beijos com carinho

Suzete Brainer disse...

Olá Amigo!

Um poema rico de ironia e a tua
poética bela de sempre, gostei muito!...

Uma semana inspiradora!
Beijo.

Graça Pires disse...

Satírico e oportuno, este poema. O que há mais é auditórios cheios de surdos, amigo...
Um beijo.

São disse...

Prefiro partir o piano !!!

Boa semana, meu caro Jaime .

Paulo Silva disse...

Profundas palavras Jaime!

Agradecido pela partilha do seu talento.

Abraço e boa semana.

Pedrasnuas disse...

Enquanto o auditório continua surdo... a fatalidade vai sucedendo.... não lhes dói nada... nem lhes pesa a consciência.... e neste emaranhado de mentiras e meias verdades e outras engenhocas mais ardilosas, o público às vezes anestesia-se, embriaga-se para poder sobreviver à pancada forte e feia que vai levando!

Boa semana, jaime Portela
Beijo

Menina Marota disse...

... e paga-se tão cara a surdez!

Um abraço

Nina Filipe disse...

Bom dia para si meu bom amigo, tenha uma semana tão linda como as palavras que vai deixando no meu cantinho.
Amigo eu não escrevo mais poemas porque a minha leitura se torna um pouco enfadonha para certas pessoas daí eu nem sempre escrever , não porque a matáteria já se tenha acabado...mas escrever para quem, se quem eu gostaria que lesse nunca chegará a ler, e se algum dia ler já eu cá não estarei, mas para que me lamentar se este foi o destino que DEUS me deu.
Beijinhos de luz e muita paz.

MARILENE disse...

Uma sátira rica, em versos perfeitos, que concluiu com chave de ouro. Abraço.

Arione Torres disse...

Oi amigo,
Vim lhe desejar uma excelente semana, abraços e fique com Deus!!

Maria Rodrigues disse...

Absolutamente excelente!!!
Um abraço
Maria

VictorNanny disse...

Olá, Jaime!
Tenho andado meio atordoado com a situação política e econômica do meu país, que por instantes, achei que seu poema se refere com exatidão a essa situação!
A platéia surda é que está nos governando...!
O povo se embriagando de ilusões, que, descem rasgando a garganta, como nos seus versos!
Vou guardar esse poema.
Aproveito para pedir sua autorização para colocá-lo numa postagem futura em meu blog, com todos os créditos, ora pois!
Um grande abraço amigo!

Agostinho disse...

...mas, se no auditório
de surdos uma pessoa apenas
tiver ouvidos e veja o acerto
das mãos que percorrem
as brancas e as pretas
já valeu a pena o concerto

Muito bem tocado, caro Jaime.

Cristina Sousa disse...

Olá Jaime
Excelente e bem atual.
Beijinhos

Daniel Costa disse...

Bela adaptação poética à realidade atual, numa imaginação que se pode considerar perfeita.
Abraços

Nany C. disse...

Estamos numa atualidade em que quase todos se encontram surdos, cegos e mudos.
Mas ainda vale a pena os poucos que absorvem o que é bom.

Beijos no coração, Jaime!

;)

Jaime Portela disse...

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Caros amigos
Obrigado pelos vossos comentários. Voltem sempre.
Entretanto, acabei de publicar novo poema. Espero que gostem.
Continuação de boa semana para todos.
Saudações poéticas.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Lady Viana disse...

Amigo Jaime,

Lindo poema, penso que mesmo que estejamos nesse extenso auditório de surdos (o mundo), ainda vale a pena, jogarmos nossas palavras ao solo, a despeito das ilusões e miragem, ainda vale a pena, esperar para vê-las florescer...
Um abraço, beijo doce e ótima semana.

Lune Fragmentos da noite com flores disse...

Um poema, forte, duro, perante o tempo presente.
O pianista, uma metáfora que personifica o auditório (mundo, sociedade) ausente no sentir.

Beijos,

Laura Santos disse...

Com a irreverência da verdade entranhada na rebeldia poética, e escrito com a classe habitual.
Forte como toda a surdez profunda, numa alegoria muito pertinente.
Parabéns!
xx

Odete Ferreira disse...

Há demasiada gente a usar vários tipos de ópio para adormecer a consciência.
Saber que nos estão a dopar, tem de ser trabalhado desde tenra idade. Mas os tempos são de pressas!!!
Gostei imenso, amigo. Bjo :)