Translater

quinta-feira, 23 de junho de 2022

Sou um tumulto [412]

 


Sou um tumulto
confinado pelas fronteiras
à volta de uma pilha revolta de ideias
que procuram atravessá-las
por todos os caminhos possíveis.
Mas é a quietude do meu ser
que tenta organizar o meu estar
para que toda a energia,
que internamente se agita,
não me transcenda,
não fragmente a minha existência
e não me projete como um foguete
que morre fátuo em fumo e cinza,
ruído sem impacto duradouro no silêncio.
E há sempre algo
que destrói a incerteza dos desejos,
que me arremessa na vontade
de não estranhar que o destino
se revele como a surpresa do poema.

 

© Jaime Portela, Junho de 2022


37 comentários:

Porventura escrevo disse...

A analise da revolta da condição humana.excelente jaime

Roselia Bezerra disse...

Bom dia sereno, amigo Jaime!
As ideias fervilhando tecem poemas assim que abrem caminhos.
Tenha um dia abençoado!
Abraços fraternos

Cláudia disse...

Gostei! O seu jeito para escrever é notável :)

Feliz dia

Regina Graça disse...

Amigo, julgo que é bom quando o poema rebenta como um foguete ou quando o tumulto interior se liberta!

Agradeço imenso por me ter alertado sobre o spam. Recebi todos os seus comentários no meu email, mas de facto, não apareciam no blog.

Beijinhos

- R y k @ r d o - disse...

Existe muita gente ( Putin) que bem precisava que um foguete o levasse para bem longe e o fragmentasse em fumo e cinza

Belo poema. O meu encanto e elogio poético
.
Uma quinta-feira feliz
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

© Piedade Araújo Sol (Pity) disse...

Boa tarde JP

a quietude do ser
acalma o tumulto

muito interessante!

gostei, como sempre!

tenha uma boa semana com muita saúde.

;)

Fá menor disse...

Que bem desenhadas estas palavras, poema de vida!
Por vezes somos assim, um tumulto preso entre fronteiras. Mas há que nos estabelecer limites tantas vezes, para podermos ser mar sereno.
Beijinhos.

Marta Vinhais disse...

O destino pode revelar boas ou más surpresas...mas abrem sempre novos caminhos, novas paixões e desejos...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

AMALIA disse...

Sin duda, un poema muy bueno.
Un abrazo.

Caterina disse...

Il tuo stile è straordinario, emozionante ogni volta che si legge un tua poesia. Sei bravissimo, Jaime. Buona serata.

Lucia disse...

Olá Jaime.
Muito bom poema.
Boa noite e feliz restinho de semana.
Beijo!

Manuel Veiga disse...

brilhante poema.

encontrasem elevado nível poético

Parabéns

fortr abraço

lis disse...

Uma explosão de sentimentos,
_energia essa que transcende e o poema reaparece,
aquietando-nos.
Deixando abraços, Jaime

Meulen disse...

Es importante dejar salir lo que nos atora sin dudas...claro a veces se arremete a diestra y siniestra, pero eso es parte de nuestra forma de ser...nadie es perfecto.

Saludos.

Emília Pinto disse...

Somos " túmulos " , não ainda cobertos de terra, mas, " atafulhados " de ideias, de dúvidas, de perguntas para as quais não conseguimos respostas. Os problemas no nosso mundo são demasiados, as nossas inquietudes são muitas, a nossa pequenez não nos permite atenuar sofrimentos de tantas almas , homens, mulheres e, principalmente, crianças. Guerras, secas, sismos, cruelades de todo o tipo cometidas na chamada " violência doméstica " arrepiam-nos, tiram-nos a serenidade de espirito e é inevitável que não nos questionemos sobre a capacidade que o ser humano tem em cometer semelhantes atrocidades. A natureza também provoca desgraças que acabam por afectar os mais desfavorecidos e perante tudo isto, Jaime, que fazer? Lamentar e dar o nosso melhor . Só assim poderemos aquietar o nosso coração. Um beijinho e um bom fim de semana, com saúde
Emilia
Emilia

Emília Pinto disse...

Jaime, li túmulo em vez de tumulto, mas, acho que não tem importância: a situação está um verdadeiro " tumulto " mas também nos sentimos " túmulos " ainda sem terra em cima, mas neles enterrados em meio a tantos problemas e inquietações.
Desculpa a confusão. Beijinhos
Emilia

J.P. Alexander disse...

Profundo poema lo que nos hace daño es mejor dejarlo ir. Te mando un beso.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Gostei deste excelente e belo poema.
Um abraço e bom fim-de-semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Pedro Coimbra disse...

E se eu lhe dissesse que estamos a fazer OUTRA ronda de testes???
Abraço, bfds

Graça Pires disse...

O melhor de tudo, meu Amigo Jaime, é a surpresa do poema.
Um bom fim de semana.
Um beijo.

Maria Lucia (Centelha) disse...

Pois , é bem assim, poeta, no tumulto dos dias atuais, poucos se lembram que é preciso silenciar o mundo interior, fazer pequenas pausas , tanto físicas, quanto mentais. Mas o poeta Jaime com sua escrita prodigiosa vem e nos proporciona esse oásis no pensar e no sentir.
Beijo grande, meu poeta.

Paula Saraiva disse...

Lindíssimo poema que adorei ler.
Onde a revolta paira no ar , uma mistura de sentimentos.
Tenha um ótimo fim de semana. Beijinhos

Carmela disse...

Es bueno ser capaz de conducir nuestra propia vida y es la quietud una buena manera de hacerlo.

Un abrazo.


PD. Hola Jaime, ví tu comentario en mi correo electrónico, pero no aparece en el blog. Me ha ocurrido en otras ocasiones y no sé por qué. Sé que Blogger anda algo revuelto. Lo siento.
Un abrazo.

Carmela disse...

Y gracias por tus palabras en mi blog.

Mário Margaride disse...

Dentro da nossa inquietude, onde os tumultos nos invadem, há momentos onde a revolta se liberta, dando lugar a estrondosas emoções.

Excelente poema, caro amigo Jaime!

Gostei muito.

Votos de um excelente fim de semana com muita saúde.

Abraço amigo.

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

Os olhares da Gracinha! disse...

E ... ainda bem que há sempre algo!👏😘

yonosoymillenium disse...

siempre es por algun motivo, esta genial el poema

Malania Nashki disse...

"Y siempre hay algo
que destruye la incertidumbre de los deseos"
Gran verdad ¿por qué será?
Me gustó el poema.
Buenas noches

Edite disse...

A vida , uma encruzilhada , vários caminhos e surpresas . Abraços e parabéns pelo belo poetar

SOL da Esteva disse...

Conquistando a Paz interior, os tumultos não entram nem se acolhem.
Supremo Poema.
Parabéns, Jaime


Abraço
SOL da Esteva

Beatriz Pin disse...

Passando por Rio sem margens e sem fronteiras.
Hai algo no poema que transcende o íntimo e se confunde co prósimo. Não sei bem a quén vai dirigido mas acho que é sublime, de calquer jeito.
Um abraço

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e outros textos literários. disse...

A quietude do ser,
Amigo Jaime, é paz
Que alenta a alma e nos faz
Seres de luz com prazer
De estar no mundo e viver
Quais seres à semelhança
De Deus e a alma nos lança
Ao mistério da existência
E da morte que é a falência
Do corpo e d'alma a herança.

Parabéns pelo belo poema, amigo. Paz e amor. Abraço fraterno. Laerte.

Olinda Melo disse...


Poema fervilhante de ideias e emoções.
E há um desejo que conter esse tumulto,
esses sentimentos desatados...
Mas não pode, caro Jaime. O poema diz
tudo ou talvez ainda haja mais por dizer.
Adorei.
Abraço
Olinda

Kinga K. disse...

Gran verdad!

MARILENE disse...

Estamos sempre a atravessar muros e a nos perdermos no emaranhado dos pensamentos, onde as ideias nem sempre esquecem conflitos interiores. Rico e belo poema, Jaime! Abraço.

saudade disse...

Que bom vir ler te, sempre maravilhosas as tuas palavras. Beijinhos

Majo Dutra disse...

Vamos vivendo entre tumultos e calmarias e tantas vezes
a vida nos surpreende como o poema recém-concluído!
Porém, importante é celebrar o estro e a vida...
Boa semana, estimado Poeta. O meu abraço.
~~~~~~