Translate

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Poesia ilusionista


O olhar cego na visão
impenetrável para além dos muros
que a cercam,
mas a acreditar na baforada de luz,
apesar da noite que espreita.
O pentear de rios nas margens,
agitando remansos na floresta
da fantasia construída
pela sedução do seu corpo, num duelo
de memórias com dedos de paixão.

A torrente de lava,
bola de neve silenciosa,
molhada pela chama
que lhe desvenda os olhos de prazer,
no desejo incontido de fêmea
no auge de um cio embrulhado
num estímulo que a penetra,
que a desatina
até ao orgasmo arrebatado
de palavras com rima.

Ah poesia ilusionista,
nada inventas,
és apenas a ficção da realidade.


33 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Boa tarde!
Como sempre, surpreende-nos com belíssimas poesias!! Amei!

Coisas de uma Vida
Beijos e um excelente dia!

Marta Vinhais disse...

É pura sedução... a poesia...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Os olhares da Gracinha! disse...

Ah poesia ilusionista,
nada inventas,
és apenas a ficção da realidade...e permites ler um interessante poema!!!bj

Lua Azul disse...

A poesia exerce o seu fascínio, sem dúvida, e às vezes mata-nos, para no minuto seguinte nos ressuscitar!
Mais um belo texto!
Um bom resto de semana!

Larissa Santos disse...

Uma poema fantástico. Adorei:))

Bjos
Votos de uma óptima Quinta - Feira

luar perdido disse...

Que venham muitas "poesias ilusionistas", amigo Jaime. Que são de uma beleza, de um toque de magia impressionantes.
Existe um encanto místico em cada "orgasmo arrebatado de palavras com rima", que esgrimes com uma mestria única.
Adorei o poema. Hoje e sempre; parabéns Jaime!

Querido amigo, resto de boa semana.
Beijo de luar

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

A sensibilidade do meu amigo para a escrita a vir mais uma vez ao nosso encontro!
Um grande bem-haja.
Abraço

Rui
Olhar D'Ouro - bLoG
Olhar D'Ouro - fAcEbOOk
Olhar D'Ouro – yOutUbE * Visitem & subcrevam

Teresa Almeida disse...

Poesia incontida E a sensualidade da natureza num poema brilhante.

Beijos, amigo Jaime.

Ana Freire disse...

E a poesia... é mesmo o ilusionismo da alma... para conseguir ver um pouco mais além...
Um poema intenso, profundo e apaixonante... como deve ser o cenário, de toda a boa poesia...
Adorei, Jaime! Beijinho!
Continuação de uma boa semana!
Ana

Andreia Morais disse...

Uau! Sempre surpreendente *-*

r: De Vargas Llosa ainda só li aquele, mas quero aventurar-me em mais obras, porque fiquei mesmo fascinada com a sua escrita

Obrigada e igualmente

Elvira Carvalho disse...

E o que é o poeta senão um mágico que brinca com as palavras, iludindo e transformando com elas as realidades quotidianas.
Gostei de ler
Abraço

Pedro Coimbra disse...

Um ilusionista com as palavras.
Esse é o Jaime Portela.
Aquele abraço, bfds

Josélia Micael disse...

Que prazer ler estes magníficos poemas!
São todos lindos, adorei... que nunca lhe falte a inspiração!
Beijo amigo Jaime, tenha uma boa noite!

Fá menor disse...

Também de ilusões se constrói a vida... embora a realidade toque a despertar.

Bom fim-de-semana, amigo Jaime!

Beijos.

Gracita disse...

Pura magia e sedução em cada verso de sua majestosa poesia, Jaime
Um afetuoso abraço meu amigo

Marina Fligueira disse...

¡Hola Jaime! Buenos días, por acá lluviosos.

Bonitas y excitantes décimas llenas de sabiduría amorosa... Sensual e ilusionista.
Que no falte nunca una quimera que alimente nuestros sentidos, la ilusión es como la golosina en la mochila de un niño.
Gracias por tu buen hacer.
Te dejo un beso, junto a mi gran estima.
Feliz fin de semana.

Roselia Bezerra disse...

Bom dia, Jaime!
Uma realidade da ilusão, gostei disso... muitas vezes, é bem assim!
Tenha dias venturosos e aconchegantes!
Abraços fraternos de paz e bem

sandra mayworm disse...

Boa tarde, Jaime!
Já estive aqui por duas vezes mas não sabia o que dizer sobre a postagem. E sabe que continuo sem saber?
Vou arriscar algumas palavras, mas consciente de que estão muito aquém do que seu texto merece...
Um texto de versos envolventes, sensualíssimo, sério, como séria é a vida!
Poesia escorre como cabelos nas margens desses rios, é tudo lindo demais...e tem o fogo, e o frio da bola de neve...ah! Como gostaria de ter escrito esse poema...
Parabéns!
Um abraço bem brasileiro!

Portugalredecouvertes disse...


Olá Jaime, muito bom essa força das palavras que acarretam consigo a magia da poesia, uma realidade transformada utópica ? talvez não, basta olhar para o que nos rodeia de com paixão !
bom fim de semana :)
Angela

Mariazita disse...

Magnífico poema, amigo Jaime!
É ficção da realidade sim, mas... quase perfeita. Chega a confundir-se...
Muito bom!

RE: Eu não gosto de farturas 😊, mas o meu saudoso marido adorava... "Incluí-las" no meu projecto de livro é uma forma "escondida" de o homenagear...

Bom Fim-de-semana
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Kalinka disse...


O olhar cego na visão
...
só estas palavras me fazem estremecer

Descobri há 4 anos a minha cegueira
e, ainda não me conformo

Se quiser espreitar:
http://meusmomentosimples.blogspot.com/

ou outros, como queira

Beijo amigo Jaime,
tenha um bom fim de semana
da Tulipa

teresa dias disse...

Ficção ou realidade, senhor poeta ilusionista, este poema é SOBERBO!
Vou daqui rendida a tamanha magia.
Beijo, querido amigo, e bom fim-de-semana. Sem truques!

Alfredo Rangel disse...

Poesia de altíssima qualidade, que nos embala o pensamento e nossos sonhos. Parabéns, Jaime. E um grande abraço.

Ulisses de Carvalho disse...

Imagético, cheio de paixão, pude ver, com minha mente, passagens várias da tua mente viajando longe, isso demonstra o quão profundos podem ser teus pensamentos. Um abraço, Jaime.

Franziska disse...

La oquedad

En principio, la palabra oquedad
nos conduce al concepto de hueco,
éste al espacio infinito
y a los agujeros negros.

Ahora, de pronto,
me pasma la conclusión
de que nuestra boca
solo es una hendidura:
una puerta.
Una abertura que conduce
-tras pasar la dentadura-
a un túnel subterráneo
que termina en una fosa.

Si tú tienes en tu rostro
un hoyuelo muy gracioso
y lo miras fijamente
verás, que tienes un surco,
un bache o un socavón
en tu piel resplandeciente.

Esa elección, a tu gusto…

Se instalan en nuestra nariz
dos ventanas siempre abiertas.
Son la entrada a las cavernas
donde se gestan catarros,
gripes y algunas amigdalitis.

Antesala acogedora
donde se filtran los aromas de las flores,
del café y del pan recién horneado,
el apetitoso olor de los asados,
las fragancias del limón, la canela,
albahaca y hierbabuena.
Otras veces, el tufo que se expande
cuando algo se quema y no arde.
Más, ¡ay! hay otros hedores tan fieros
que nos harán salir corriendo.

Así, buscando sonidos
que nos hablen de oquedades
hemos llegado algo confusos
a pensar en los oídos:

Una hondonada que tiene
una trompa, un martillo
y un cerumen amarillo,
nos conduce a los ecos
porque oír más o menos

todos oímos pero, escuchar,
lo que se dice escuchar…
esto no nos llega al cerebro:
porque creo que se pierde
en los corredores del ego.

Concluyo, en esta hucha,
no entran los ojos
porque te miro y me ves:
están tras de un cristal que refleja
este mundo del revés.

Alcalá de Henares, 10 de noviembre de 2018

Texto realizado por Franziska para
EL JUEGO DE LA PALABRA DADA
PALABRA: OQUEDAD
DADOR: ISAAC DAVIS, autor de dos blogs:

http://mimismoyyo.blogspot.com/
http://isaacdevispintor.blogspot.com/



Ah poesia ilusionista,
nada inventas,
és apenas a ficção da realidade.

Esta estrofa final ha puesto un broche de oro a su poema. Feliz semana. Un abrazo.








Mar Arável disse...

Todos somos poetas
alguns ousam escrever
Abraço

Pedrasnuas disse...

Inconfundível! pleno de imagens metafóricas belíssimas! O remate é bombástico! A poesia, o outro lado, menos cru da verdade...
A poesia reflecte o que cada um deixa transparecer de si mesmo!

Parabéns por mais este guloso trabalho!

Grata pelas palavras de reforço! São sempre bem vindas!

JP, bom fim de semana.

Beijo poético

Santos Oliveira disse...

Não será realidade da ficção? O Amor, a Poesia, a Vida, serão "coisa" real?
Poema notável.

Abraço
SOL

Agostinho disse...

Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência, porque o Poeta mente o que sente e, no baralhar das cartas, os versos da palavra grafada desencanta rimas escondidas.
Óptimo.
Abraço

Kasioles disse...

Me gusta la ilusión que anida en tu corazón y que eres capaz de reflejar en tu bonito poema.
Cariños y mis deseos de que tengas un buen comienzo de semana.
kasioles

Graça Pires disse...

Ilusionismo, ficção da realidade, a poesia? A poesia é a vida escrita por poetas, assim, sensíveis… Belo, Jaime,
Uma boa semana.
Um beijo.

Arte & Emoções disse...

Oi Jaime! Poema belo, profundo e um tanto metafórico. Parabéns!

Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

Furtado

betonicou disse...

Bravissimo , Jaime! Mais um ecelente e belo poema, a nos embrulhar de ficção e realidade. O poeta sempre fa uso do ilusionismo , para assim fazer transmutar os ricos sentimentos. Feliz continuação de semana. Abraço.