Translater

quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Miragem de trigo e girassóis [426]

 


Somos um mar humilhado e nauseado

de tão desastrado navegar.

Obscenos,

os ventos juntaram-se pela falha das virtudes

dos homens bons e generosos,

com arte e engenho

para a epopeia fecundante, impreterível,

ventos esses fortalecidos pela burla

bem urdida nos porões da autocracia.

Mas a nossa voz continua opaca,

sem clamores de rebeldia.

E, sem timoneiro,

somos remos vãos de movimento.

As vozes são poucas, são cata-ventos

com as mãos atadas à voz do comodismo.

Enfraqueceu a vibração do grito,

firme à mentira

e resistente ao despotismo,

neste terreno onde abundam malfeitores,

piratas infames da nossa indignação.

Gritemos indignados

porque o tempo é de desgraça,

prendam-se os ricos oligarcas

banqueiros

e padrinhos que arruínam a paz.

O mar fecha-se,

inquinado,

envenenado e poluído

pelo asqueroso poder que vomita

mísseis cegos a cavar valas comuns,

onde remamos

com a miragem de trigo e girassóis.

Conquistem-se

outras velas ,

outro vento,

outro rumo,

porque se a injustiça nos queima

também engorda a revolta

nos ventres que ião parir, por certo,

a água e os remos

para o barco do nosso movimento.

 

© Jaime Portela, Agosto de 2022


34 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Bom dia de paz, amigo Jaime!
"homens bons e generosos,
com arte e engenho"
Como precisamos de engenho dos animados em construir a paz e o bem pela humanidade afora.
Em contrapartida aos mentirosos, aos déspotas, aos comodistas, aos malfeitores, aos rebeldes, aos guerrilheiros e tantos que assumem a causa da contramão da dignidade do ser humano.
A miragem do trigo e do girassol é a metáfora dos pacificadores.
Que esteja em nós tão belo motivo de seguir vivendo!
Tenha dias abençoados!
Abraços fraternos

Marta Vinhais disse...

A Paz está efectivamente arruinada...Há apenas desolação e medo...aqui tão bem retratados...
Gostei muito, obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

P.S.: Sim, vou continuar a publicar poemas arquivados até ao fim de Agosto...Precisam de respirar, de ser lidos, amados novamente....

chica disse...

Linda, profunda poesia e a injustiça nunca nos faz bem! abraços, chica

Cláudia disse...

Fortíssimo este poema. Muito bom.

Feliz dia

- R y k @ r d o - disse...

Mais um poema intenso, profundo, brilhante, que muito me fascinou ler. O meu aplauso e elogio para tão distinto poeta.

.
Abraço virtual de amizade
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

ematejoca disse...

Manifestação política extremamente importante.

Cidália Ferreira disse...

Um poema qual grito de revolta pelo qual todos lutamos e sofremos! Adorei ler!
-
"Sem querer dizer adeus.."

Beijos
Boa Tarde!

Porventura escrevo disse...

Um início demolidor de poema, Jaime.
Gostei muito.

Fá menor disse...

Muito pertinente grito! Faço coro contigo.

Oh, que bons ventos nos viessem soprar!...

Beijinhos, amigo Jaime, e tudo de bom!

Luiz Gomes disse...

Boa tarde meu amigo Jaime. Uma excelente quinta-feira com muita paz e saúde. Poema maravilhoso meu querido amigo.

Lucia disse...

Olá caro Jaime.
Solte seu grito, não o sufoque.
Um bom poema, não seria diferente, poeta.
Bom resto de tarde e feliz noite.
Beijo!

brancas nuvens negras disse...

Um poema de cariz político, que apreciei.
Um abraço.

MARILENE disse...

Insurreição com palavras poéticas. Um poema magnífico, Jaime! O comodismo deve ser resultado de tantos gritos não ouvidos, infelizmente. Abraço.

tb disse...

Bem necessitados andamos de fritos de alerta.
Magnifico poema/reflexão de um tempo com ventos estranhos.
Abracinho com beijinho.

Pedro Luso de Carvalho disse...

Olá, amigo Jaime.
um barco que navega em meio à tempestade, em alto mar, sem timoneiro,
pode parecer perdido, prestes a afundar, mas sempre haverá um poeta,
destemido que toma o timão e salva a embarcação, e como acontece com
o navio, também pode acontecer com a pátria, que sempre haverá de contar com poetas destemidos, com seu canto de hoje e de sempre.
Aplausos pelo belíssimo poema .
Votos de um ótimo final de semana, amigo Jaime.
Forte abraço.

Sonhadora (Rosa Maria) disse...

Meu querido amigo ... Voltando com muitas saudades. Depois de tantos anos sinto que estou regressando a CASA. Estou abrindo a porta à amizade linda que construímos aqui . Deixo o meu carinho e um beijinho.

J.P. Alexander disse...

Profundo poema, te hace pensar, Te mando un beso.

Anónimo disse...

Que tragedia grega!

Pedro Coimbra disse...

Dá vontade de perguntar se veio a Macau esta semana.
Revolta!
Abraço, bfds

Mister Vertigo disse...

Caro Jaime Portela
Gostei muito de ler este poema que retrata bem e de forma bem poética os tristes tempos que vivemos.
Bom fim-de-semana!
Um abraço!

Os olhares da Gracinha! disse...

Tempos conturbados em pertinente poema!😘

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Gostei deste excelente trabalho poético.
Um abraço e bom fim-de-semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Maria Lucia (Centelha) disse...

A indignação vertida em letras, para um poema intenso, denso. Um turbilhão de sensações que temos. Ou que não temos.
Uma coisa é certa: um excelente poema que nos representa a muitos! .

Um beijo , poeta !!!

Regina Graça disse...

Soltem-se o grito e a revolta. Escreva-se alto o poema, muito mais alto do que as atrocidades deste mundo em que vivemos!

Abraço, amigo Jaime...

Paula Saraiva disse...

Lindíssimo poema.
Beijinhos

Olinda Melo disse...


Olá, Jaime

A vogar numa procela pegada, este mundo
parece sem conserto. Bons timoneiros
não abundam ou desapareceram. Com o barco
à deriva é uma espécie de "salve-se quem puder"
Assim vamos contando os dias do nosso desconten-
tamento.
Belo poema, forte e destemido.
Abraço
Olinda

Mário Margaride disse...

Boa noite, caro amigo Jaime,
Um poema muito interessante, onde a revolta pela injustiça que germina neste país à bem mar plantado, está bem patente nestas sublimes palavras!
Parabéns, pela inspiração!
Votos de um excelente fim de semana, com muita saúde.
Abraço amigo.

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

SOL da Esteva disse...

Poema de actualidade gritante.
Bem hajas, Jaime.

Abraço
SOL da Esteva

Maria Rodrigues disse...

Um grito poético de revolta e indignação, perante os ventos tão controversios, desorientados e difíceis que nos fustigam.
Brilhante poema!
Beijinhos

A Paixão da Isa disse...

uma linda e feliz semana bjs saude

© Piedade Araújo Sol (Pity) disse...

bom dia JP

um poema que é um grito que o Poeta mão pode guardar.
de cariz politico se assim o quisermos interpretar.
boa semana.
:)

Ailime disse...

Boa tarde Jaime,
Um poema magnífico!
Quantos não trazem o peito sufocado por tantas injustiças cometidas.
Muito belo e pertinente este seu grito, Poeta!|
Beijinhos e uma boa semana.
Ailime

Meulen disse...

Debemos detenernos más seguido en pensar con esa reflexión aunque sea dolorosa , de porque hemos llegado a estar así, que esta humanidad suponiéndose que debe estar elevada por lo que la misma historia dice de los batallas que se han librado en todo orden de cosa y sus resultados...

Muchas veces se desconoce, se olvida o se obvia a priori la historia y los errores se repiten una y otra vez.

Todos tenemos una poco de responsabilidad en ello porque muchas veces nos dejamos engañar fácilmente sobre todo por el facilismo que se nos ofrece y luego nos damos cuenta que era solo humo...

Además que estoy convencida que el hombre solo , por si mismo sin Dios nunca saldrá de ese lugar a donde se ha querido entronar y de esa trono caerá una y otra vez ...

Creo un escrito necesario en estos tiempos, los poetas no pueden callar.

Un abrazo.

Ana Freire disse...

E a nau... continua a afundar... sem as gentes descobrirem outro rumo... que não uma rota bélica e destrutiva!
Um poema admirável, que não poderia estar mais de acordo com o espírito destes tempos presentes... enquanto se vai lutando por palmos de terra... quando em breve... todos andarão a lutar, por um copo de água...
Um beijinho
Ana