Translater

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Com este céu [262]




Com este céu,
após tantas estrelas entretanto caladas,
a tua sombra dói e, com a inércia,
não há uma erva que cresça.
Que força
a um estado indolente me obriga
se o teu rosto me atrai e se,
nos meus ombros,
cavalgam lampejos de saudade?
Apenas vejo um ser que se verga
às mãos de um exorcismo de trevas
e de uma venda justiceira que cega,
um ser entre o vazio e o ficar
onde começa a ausência de futuro.
Serei um pássaro sem pio,
acomodado nos ramos,
que teme a saída do ninho?



41 comentários:

João Santana Pinto disse...

Por vezes amar não chega... "Com a inércia, não há uma erva que cresça" e essa é a realidade. O ser humano gosta do que conhece e receia a mudança...

Um belo poema, a retratar a vida (parece-me) e os seus desafios

Abraço

Isamar disse...

Olá Jaime,
Gosto muito da sua escrita, sempre elegante e romântica.
Mais um belo e sentido poema, adorei!!!
Resto de uma semana feliz,
Beijinhos

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Fica a questão...
Maravilhosa sensibilidade caro amigo!
Um forte abraço com votos de saúde!
Rui
😉
Olhar D'Ouro - bLoG
Olhar D'Ouro - fAcEbOOk
Olhar D'Ouro – yOutUbE * Visitem & subscrevam

chica disse...

Muito lindo e sempre tão profundas tuas mensagens poéticas!Adorei! abraços, chica

lua singular disse...

Oi Jaime,

Que lindos escritos poeta!
Já está prontinho para escrever um livro.
Já pensou nisso? Está nos seus planos? Eu comprarei um.
Usa de palavras muito cultas que só atingirá a uma população seleta e ávida de mais sonhos que, após ler o livro, esse ocupará um lugar especial na sua estante.
Tenho duas estantes abarrotada de livros. A leitura nos leva a sonhar, o difícil é ter que parar o sonho para viver uma realidade nua e crua.
Parabéns por compartilhar tamanha maravilha.
Boa sorte
Beijos no coração
Lua Singular

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Mais um belo poema amigo Jaime, gostei.
Continuação de uma boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Marta Vinhais disse...

O que se teme na verdade?
Brilhante como sempre...
Beijos e abraços
Marta

Os olhares da Gracinha! disse...

A força da alma poética bem patente e eu aplaudo!!! Bj

Ana Pereira disse...

A saudade torna se um fantasma que os persegue. Talvez por vezes seja necessário resgatar os fantasmas e ressussita los
Excelente, como sempre

Beijo

yo leo Novela disse...

Muy hermoso.
Feliz jueves.

Daniel Costa disse...

Jaime gosta-se sempre da tua poesia (confesso-me fã), mas quanto a mim haverá sempre futuro, vista que somos os portadores desse futuro, para os vindouros. Mais não seja pela poesia!
Abraço

Andreia Morais disse...

Um poema que nos inquieta por dentro! Gostei imenso *-*

Continuação de boa semana

Mar Arável disse...

Um pássaro é um pássaro
desde que voe
mesmo nas palavras

Abraço

RUTH FASHION DIARY disse...

Beautiful piece and great read.Thank you for sharing.

Cidália Ferreira disse...

Mais um excelente poema!
-
Pensamento relaxante...
Beijo e uma excelente noite!

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e outros textos literários. disse...

Amigo Jaime Portela,
Sempre teu poema encanta
Por beleza tanta e tanta
Que chega e se nos revela

Como mensagem que zela
Pelo belo, pela santa
Doçura que acalanta
A alma por ser tão bela

A mensagem em poesia
Divinizante, que cria
Sentimentos de ternura.

Tu é fera! Eu te diria
Que esse poema é magia,
É amor, é literatura!

Grande abraço, amigo! Parabéns! Laerte.

Tais Luso disse...


"Serei um pássaro sem pio,
acomodado nos ramos,
que teme a saída do ninho?"

Tão real, tanta verdade nesse belo e sensível poema, Jaime!
Gostei muito da mensagem contida.
beijo, um bom fim de semana.

Graça Pires disse...

A saudade. O lugar "onde começa a ausência de futuro".
Desta vez um poema mais melancólico, mas belo como sempre.
Um bom fim de semana.
Um beijo.

Isa Sá disse...

A passar por cá para conhecer mais um bonito poema.

Isabel Sá  
Brilhos da Moda

Giancarlo disse...

Buon fine settimana.

SOL da Esteva disse...

Poema/Mensagem muito profundos. Amei.


Abraço
SOL

Mariazita disse...

A vida está cheia de contradições, e o ser humano usa e abusa delas...
Uma certa dose de melancolia (desânimo?) neste lindo poema torna-o ainda mais belo, meu querido amigo Jaime.

Bom Fim-de-semana
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Magui disse...

Quando queremos muito nada há a temer.
Beijo.
Bom fim-de-semana

Pedro Luso disse...

Gostei muito, caro amigo Jaime, deste seu poema,
que se inicia com estes densos versos:

“Com este céu,
após tantas estrelas entretanto caladas,
a tua sombra dói e, com a inércia,
não há uma erva que cresça.”

Recomendo aos seus leitores que façam mais de uma leitura deste belo poema.

Um excelente final de semana, Jaime.

Um abraço

Manuel Veiga disse...

palavras sóbrias e musicais
num poema muito expressivo

parabéns, amigo
grande abraço

Sandra May disse...

Mais um lindo poema para nosso deleite.
Parabéns pelo conjunto da sua obra!
Tenha um ótimo domingo, amigo Jaime.

yonosoymillenium disse...

que preciosidad de poema, me gusta la ultima frase

Humberto Maranduva disse...

Por vezes, ou quase sempre, a nostalgia instiga a inércia, o não saber que fazer, o fazer sem saber que o que desconhecemos tolhe o sentido do gesto... sem que haja "uma erva que cresça".
Um abraço, caro Jaime Portela.

Ana Freire disse...

Inquietações da alma... sublimemente expressas, com um cariz sempre envolvente e romântico!...
Gostei imenso, Jaime! Mais um belíssimo momento poético, por aqui!
Beijinho
Ana

betonicou disse...

Olá Jaime! Lindo poema, como sempre. O final é de uma singular e extrema beleza. Grande abraço. Feliz semana.

RECOMENZAR disse...

me gusta mucho mucho como escribes tus poemas aunque creo que con la traducción de pierde bastante
Un abrazo poeta

rosa-branca disse...

Fiquei triste com o teu poema, não que não seja belo. É lindo, mas dói- me. Beijinhos com carinho

teresa dias disse...

"Serei um pássaro sem pio,
acomodado nos ramos,
que teme a saída do ninho?"
Nem sem pio, nem acomodado. Nunca, poeta!
Meu amigo Jaime, estes versos são sérios: para ler e reler.
Beijo, boa semana.

Majo Dutra disse...

Estimado Amigo.
É bom estar aninhado num lugar que nos faz feliz.
Já estar silencioso é uma fase transitória...
É inprescindível soltar o canto, poeta... Srrssssss...

Gostei do poema, Jaime.
Beijinho
~~~~

luar perdido disse...

Amigo Jaime, um belo poema, que nos faz pensar sobre a vida.
Quantas vezes somos pássaros acomodados, com medo de abandonar o ninho?
Que jamais faltem os "solfejos" a dar as boas vindas ao novo dia.

Lindíssimo!
Beijo de luar

© Piedade Araújo Sol disse...

inquietaçoes de uma alma irriquieta

mas, mesmo pássaro sem pio, não importa porque terá sempre as asas...

gostei do poema!

beijinhos

:)

Fá menor disse...

Por vezes a saudade pode aprisionar...
Mas há que lutar pela libertação. Asas servem para voar.

Beijinhos.

saudade disse...

Vim embriagar me das tuas palavras... É ver se mesmo assim consigo voar.
Boa semana amigo
Beijo

Teresa Almeida disse...

Um poema de amor e saudade, bem entrosado na natureza.

Beijinhos, caro Jaime.

Agostinho disse...

Bom poema, como é de esperar dum 'Rio sem Margens".
Dói ver um pássaro agarrado a uma mão
que conjuga o verbo em tempo passado.
Não há montada que se aventure romper
a fronteira de hoje em direcção ao ontem.
Este não existe.
O vácuo devora o amor na ilusão, no inferno.

Abraço.

Canto da Boca disse...

A poesia pode trazer ao mesmo tempo a beleza e a dor, é o caso deste poema.
Entretanto, diante de determinadas decisões, cabe-nos o (in)fortuito poder de deliberar ou não se vamos sair da nossa zona de conforto, ou correr o risco de nos depararmos com situações inusitadas, inesperadas e quiçá cheias de boas surpresas.
Penso que sair do ninho, experimentar voar em novos horizontes deve ser mesmo desafiador.

Parabéns pelo texto!

:)