Translater

quinta-feira, 28 de maio de 2020

A ignorância das flores [280]



Quando vejo uma roseira esquecida
a fervilhar na margem de um caminho,
sou picado pela abelha da surpresa
e vejo nas flores uma exceção aos jardins.

Afastada a estranheza,
sou como um raio de sol, que vê, sem o perceber,
a regra de uma qualquer lei
que faz crescer na roseira flores de tanta beleza.

Comburentes da vida e da morte,
os dias passam de igual modo no jardim e fora dele
por tributo à mesma regra,
mas as flores desconhecem que são perseguidas
pelo ferrão da sua fátua existência.

O amor tem a regra e a exceção polinizadas,
tem a beleza e a ignorância das flores.


42 comentários:

" R y k @ r d o " disse...

Pura beleza poética e literária. Fascinante de ler.
.
Deixando Felicitações amigas

chica disse...

Muito linda tua poesia,Jaime! Sempre assim aqui!abraços, chica

Isamar disse...

Olá Jaime,
Mais um poema elegantemente bem escrito.
Adoro ler a sua poesia!
Fique bem, beijinho!

Andreia e Jéssica disse...

Um lindíssimo poema
Beijinhos 😊 , Damsel.me-Clique Aqui

Portugalredecouvertes disse...

tudo tão belo e maravilhoso que os homens decidiram que só poderia
ser obra do divino!

Portugalredecouvertes disse...

tudo tão belo e maravilhoso que os homens decidiram que só poderia
ser obra do divino!

Andreia Morais disse...

Todo o poema é maravilhoso, tal como já estava à espera, mas tenho que destacar os últimos dois versos *-*

Continuação de boa semana, Jaime

Cidália Ferreira disse...

Um poema fantástico! Amei!!:)
-
Enquanto a vida for vida tens a minha gratidão.

Beijos e uma excelente tarde! :)

Fá menor disse...

As flores, tal como o amor, têm um encanto especial. No entanto, até as rosas têm espinhos, e insectos e parasitas se escondem nelas.

Belo!

Bom fim-de-semana!

Beijinhos.

Gracita disse...

Arte poética magistral.
Um poema de excelência amigo Jaime
Beijinhos

Teresa Almeida disse...

Também me encanto com a ignorância das rosas. Parece que se regem pelas leis de um amor cego e aparecem para nos espantarem. E trazem poemas beijados pelas abelhas.
Gosto muito dos teus jardins, caro amigo Jaime.

Beijos.

Mariazita disse...

Amante que sou de flores em geral e de rosas em particular, não podia deixar de AMAR este teu perfumado poema.
Embora o seu habitat natural seja os jardins, também à beira dos caminhos nascem as rosas.
Perfeita a analogia com o amor feita nos dois últimos versos.

Dias felizes, com saúde, te desejo, querido amigo Jaime.

Bom Fim-de-semana
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Roselia Bezerra disse...

Boa noite de paz e flores poéticas, Jaime!
Bonito quando se percebe muito que pode afetar a beleza tanto das flores como do Amor e, no entanto, se poeta com esplendor sobre os dois.
Tenha dias abençoados!
Abraços fraternos de paz e bem

redonda disse...

Gostei

Pedrasnuas disse...

As flores esquecidas na margem de qualquer caminho, resistem muito mais, porque esperam olhos ternurentos de um qualquer viajante atento.
E se alguém as colher, e as tratar bem, apesar de uma existência efêmera,sempre duram algum tempo ... não se pode esperar outra coisa...
O amor não dura, porque os homens esqueceram-se do que é isso, de amar.

Amigo, essa analogia bem construída e conseguida faz pensar....!

Bom fim de semana.
Aproveita-o bem.

lua singular disse...

Oi Jaime
Bela poesia
Gosto do perfume das rosas,ele me trás muitas reminiscências...
Ela enfeita nossos jardins e os corações
Beijos no coração
Lua Singular

Magui disse...

Lindo poema perfumado.
Beijo

Manuel Veiga disse...

gostei muito do poema, caro Jaime Portela
e da fragrância que se desprende das sugestivas imagens poéticas

forte abraço

betonicou disse...

Boa noite Jaime. As flores dão a esse belíssimo texto, o frescor dos jardins tão bem cuidados. As rosas se escrevem; lindas e majestosas. Grande inspiração, poeta. Aquele abraço .

Pedro Coimbra disse...

As flores crescem onde menos se espera.
Entre as pedras da calçada numa Macau sem turistas, por exemplo.
Aquele abraço, bfds

Marta Vinhais disse...

Aparecem simplesmente... não seguem regras, aguardam apenas pelo beijo do Sol...
Vivem apenas....
Lindo....
Obrigada pela visita; já há novidades no blog.
Beijos e abraços
Marta

Elvira Carvalho disse...

As flores são um presente da natureza para nós.
Abraço e saúde

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Um belo poema amigo Jaime.
Um abraço e tenha um bom fim-de-semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Dalva Rodrigues disse...

Belíssimo poema, Jaime, um poema para se ler várias vezes!
Até as roseiras nascem fora de jardins, é verdade, embora pouco observemos, crescem mais desordenadas e selvagens sem as podas humanas, mas correm o risco de ter suas rosas mortas precocemente.
Adorei a leitura, abraço e bom final de semana!

Ygraine disse...

WOW...such a gorgeous and sensuous poem!!
Roses are like our hearts...at times helpless - and yet...at other times so fragrantly irresistible to others...🌹🌹
Oh how I adore this...

Have a super weekend, Jaime...and stay safe!

Kisses xxx

Giancarlo disse...

Ti auguro un sereno e felice fine settimana.

Pedro Luso de Carvalho disse...

“Quando vejo uma roseira esquecida
a fervilhar na margem de um caminho,
sou picado pela abelha da surpresa
e vejo nas flores uma exceção aos jardins.”

Vejo que esta bela estrofe abre este seu canto. Meus parabéns, Poeta, pelo seu inspirado poema.

Um bom final de semana, caro Jaime.

Grande abraço do seu amigo,
Pedro

SOL da Esteva disse...

Magia do Belo, do Amor, da Vida...
Gostei muito deste teu Poema. Parabéns.


Abraço
SOL

São disse...

Beissima ignorância das flores....


Bom fim de semana, te abraço

R's Rue disse...

Beautiful

Ana Tapadas disse...

A bela ignorância das flores captada pelo teu olhar poético.

Bj

Sandra May disse...

Penso que a beleza das rosas é suficiente para um olhar poético e amoroso.
Um bom domingo, amigo Jaime!

© Piedade Araújo Sol disse...

JP

as flores são uma dádiva da natureza, e são belas, assim como a sua inspiraçao beste poema delicado e cheio de ternura.

as flores podem ser ignorantes mas são um bálsamo para nossa optica.

bom domingo!

beijinhos

:)

Ailime disse...

Boa tarde Jaime,
Roseiras a fervilhar nos caminhos são bálsamos para o olhar e sentidos.
Magnífico poema!
Um beijinho e bom domingo.
Ailime

Ana Freire disse...

E por vezes, serão mesmo as flores dos nossos jardins interiores que mais insistimos em ignorar...
Uma bela inspiração, plena de cores e aromas... bem dentro do espírito desta Primavera, mais exuberante do que habitual... pois de facto, ignora o drama dos humanos...
Beijinhos, Jaime! Feliz domingo!
Ana

Arthur Claro disse...

Que poesia linda, meus parabéns.

Arthur Claro
http://www.arthur-claro.blogspot.com

Graça Pires disse...

As flores e o amor em diálogo íntimo através do poema, pela voz do Poeta… Muito belo!
Uma boa semana com muita saúde.
Um beijo.

A Paixão da Isa disse...

muito bonito mas atençao as rosas que picam heheeh bjs feliz semana

saudade disse...

E que linda roseira fizeste com as tuas palavras...
Boa semana amigo.
Beijo

A Casa Madeira disse...

O amor é exigente;
Lindo poema.
Boa entrada de mês de junho.

Majo Dutra disse...

Gostei de saber-te sensível à beleza, destino e efemeridade das rosas
em analogia com o amor...
Um poema magnífico!
Abraço, amigo Jaime.
~~~~

Olinda Melo disse...


É isso. Existem flores dentro e fora dos
jardins. Não precisam de seguir a regra de
um espaço restrito para se desenvolverem
em beleza e graça. Os dias são iguais
dentro ou fora dele. E o amor cresce
de igual modo. Regra ou excepção,
que importa?

Abraço

Olinda